A rica meteorologia de Marte estudada em detalhes pelo rover Perseverance

Início » Ciência » A rica meteorologia de Marte estudada em detalhes pelo rover Perseverance

Perseverança é um veículo autônomo da NASA que chegou à Cratera Jezero (o leito de um antigo lago agora seco em Marte) em 18 de fevereiro de 2021. O rover está equipado com sete novos e complexos instrumentos científicos dedicados a explorar a superfície do planeta em busca de sinais de possível vida passada, coletando e depositando amostras para serem trazidas de volta à Terra, testando novas tecnologias para uso na exploração humana e estudando detalhadamente a atmosfera do planeta. Com relação ao objetivo de estudar a atmosfera, o MEDA (Analisador de Dinâmica Ambiental Mars) vem obtendo resultados inéditos. O pesquisador principal do MEDA é José Antonio Rodríguez-Manfredi, do Centro de Astrobiologia (CAB) de Madri, e contou com a participação de uma equipe do Grupo de Pesquisa em Ciências Planetárias da UPV/EHU. O instrumento é composto por um conjunto de sensores que medem temperatura, pressão, vento, umidade e propriedades da poeira que está sempre presente em suspensão na atmosfera marciana.

Perseverança completou agora sua investigação da atmosfera ao longo do primeiro ano marciano (que dura aproximadamente dois anos terrestres). Uma prévia dos resultados, que aparece na capa, é publicada hoje na edição de janeiro da revista Geociência da Natureza. Especificamente, a equipe da UPV/EHU, formada por Agustín Sánchez-Lavega, Ricardo Hueso, Teresa del Río-Gaztelurrutia e o doutorando Asier Munguira, liderou o estudo dos ciclos sazonais e diários de temperatura e pressão, bem como seus significativos variações em outras escalas de tempo resultantes de processos muito diferentes.

Ao longo das estações, a temperatura média do ar na Cratera de Jezero, localizada próxima ao equador do planeta, gira em torno de 55 graus Celsius negativos, mas varia muito entre o dia e a noite, com diferenças típicas em torno de 50 a 60 graus. A meio do dia, o aquecimento da superfície gera movimentos turbulentos no ar resultantes da subida e descida das massas de ar (convecção) que cessam à noite, quando o ar baixa.

Os sensores de pressão, por outro lado, mostram em detalhes a mudança sazonal da tênue atmosfera marciana produzida pelo derretimento e congelamento do dióxido de carbono atmosférico nas calotas polares, bem como por um ciclo diário variável e complexo, modulado por marés termais em a atmosfera. “A pressão e a temperatura da atmosfera de Marte oscilam com os períodos do dia solar marciano (um pouco mais longo que o da Terra, com média de 24 horas e 39,5 minutos) e com seus submúltiplos, seguindo o ciclo diário de sol muito influenciado pela quantidade de poeira e a presença de nuvens na atmosfera”, diz Agustín Sánchez-Lavega, professor da Faculdade de Engenharia — Bilbao (EIB) e co-pesquisador da missão Mars 2020.

Ambos os sensores também estão detectando fenômenos dinâmicos na atmosfera que ocorrem nas proximidades do rover, por exemplo, aqueles produzidos pela passagem de redemoinhos conhecidos como “demônios da poeira” por causa da poeira que às vezes levantam ou pela geração de ondas de gravidade cuja origem ainda não é bem compreendida. “Os redemoinhos de poeira são mais abundantes em Jezero do que em qualquer outro lugar de Marte e podem ser muito grandes, formando redemoinhos com mais de 100 metros de diâmetro. Com o MEDA conseguimos caracterizar não apenas seus aspectos gerais (tamanho e abundância), mas também desvendar como funcionam esses redemoinhos”, diz Ricardo Hueso, professor da Faculdade de Engenharia — Bilbao (EIB).

O MEDA também detectou a presença de tempestades a milhares de quilômetros de distância, muito semelhantes em origem às tempestades terrestres, como mostram as imagens de satélites em órbita, e que se movem ao longo da borda da calota polar norte, formada pela deposição de neve carbônica.

Dentro da rica variedade de fenômenos estudados, o MEDA conseguiu caracterizar detalhadamente as mudanças ocorridas na atmosfera por uma das temidas tempestades de poeira, como a que se desenvolveu no início de janeiro de 2022. Sua passagem pelo rover levou a mudanças bruscas de temperatura e pressão acompanhadas de fortes rajadas de vento, que levantaram poeira e atingiram os instrumentos, danificando um dos sensores de vento.

“O MEDA está fornecendo medições meteorológicas de alta precisão que permitem caracterizar a atmosfera marciana, pela primeira vez, a partir de escalas locais a distâncias de alguns metros, bem como na escala global do planeta, coletando informações sobre o que está acontecendo milhares de quilômetros de distância. Tudo isso levará a uma melhor compreensão do clima marciano e melhorará os modelos preditivos que usamos”, diz Sánchez-Lavega.

Com informações de Science Daily.

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *