Adeus ao ‘para sempre’ – Destruindo o PFAS triturando-o com um novo aditivo

Início » Ciência » Adeus ao ‘para sempre’ – Destruindo o PFAS triturando-o com um novo aditivo

Substâncias per e polifluoroalquil (PFAS) são substâncias potencialmente nocivas conhecidas como “produtos químicos eternos” porque são muito difíceis de destruir. Uma técnica emergente para degradar o PFAS envolve moê-los à força com bolas de metal em um recipiente em movimento, mas essa técnica pode exigir aditivos corrosivos. Agora, os pesquisadores da ACS’ Cartas de Ciência e Tecnologia Ambiental relatam um novo tipo de aditivo para “moagem de esferas” que decompõe completamente o PFAS à temperatura e pressão ambiente.

A contaminação sólida de PFAS é um problema contínuo para o solo próximo a locais de descarte, locais de fabricação e instalações que usam frequentemente espuma de combate a incêndio. Atualmente, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA recomenda a incineração para destruir essas substâncias, mas ainda há dúvidas sobre se esse método de uso intensivo de energia pode efetivamente prevenir a contaminação ambiental.

Outra opção é o moinho de bolas, processo que mistura PFAS e aditivos com esferas metálicas em altas velocidades. As colisões entre as esferas e os aditivos criam reações de estado sólido que quebram as ligações carbono-flúor no PFAS e as convertem em produtos menos nocivos. Um aditivo comum para este processo é o hidróxido de potássio (KOH), mas forma aglomerados problemáticos e é corrosivo. Para superar essas limitações, Yang Yang e seus colegas recorreram ao nitreto de boro, um material piezoelétrico que gera cargas elétricas parciais e pode aceitar elétrons quando deformado por forças mecânicas. Eles agora relatam um processo de moagem de esferas que usa nitreto de boro como um aditivo não corrosivo para reagir e destruir o PFAS.

Como prova de conceito para o novo aditivo, a equipe moeu dois compostos PFAS herdados com nitreto de boro e analisou os produtos. Ao otimizar a proporção de nitreto de boro para PFAS, a equipe removeu quase completamente os átomos de flúor do PFAS em quatro horas à temperatura e pressão ambiente, destruindo-o efetivamente. O método também quebrou 80% dos PFAS conhecidos de solos contaminados com espuma de combate a incêndio após seis horas. Em ambos os experimentos, o nitreto de boro degradou o PFAS com mais eficiência do que quando o KOH foi usado. Análises posteriores sugerem que o nitreto de boro aceita elétrons e átomos de flúor do PFAS, que então se divide em espécies de radicais fluoroalquil que reagem com oxigênio ou outros radicais para finalmente produzir minerais inócuos. Este novo método pode abrir a porta para futuras estratégias de remediação de PFAS baseadas em força mecânica, dizem os pesquisadores.

Com informações de Science Daily.

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *