Precisamos aprender a viver com menos aço

Início » Ciência » Precisamos aprender a viver com menos aço

O aço é um dos materiais mais importantes do mundo, parte integrante dos carros que dirigimos, dos prédios que habitamos e da infraestrutura que nos permite viajar de um lugar para outro. O aço também é responsável por 7% das emissões globais de gases de efeito estufa. Em 2021, 45 países se comprometeram a buscar aço com emissões quase zero na próxima década. Mas como é possível produzir o aço de que precisamos na sociedade com emissões zero?

Um novo estudo focado na indústria siderúrgica japonesa mostra que, se estivermos realmente comprometidos em atingir emissões zero, devemos estar preparados para um cenário em que a quantidade de aço que podemos produzir é menor. O Japão estabeleceu uma meta de redução de 46% nas emissões de aço até 2030 e zero emissões até 2050. Até agora, o roteiro para alcançar isso depende fortemente de futuras inovações em tecnologia. Espera-se que haja desenvolvimentos em captura e armazenamento de carbono (CCS) e tecnologias baseadas em hidrogênio.

No estudo, o Dr. Takuma Watari, pesquisador do Instituto Nacional de Estudos Ambientais do Japão, atualmente trabalhando com a Universidade de Cambridge, argumenta que não existe bala de prata. Ele diz que os planos atuais para reduzir as emissões de carbono subestimam o quão difícil será desenvolver tecnologias de CCS e hidrogênio e implantá-las amplamente: “Essas tecnologias ainda enfrentam sérios desafios técnicos, econômicos e sociais e ainda precisam ser implementadas em escala. E importante, é altamente incerto se haverá eletricidade não emissora suficiente para usar essas tecnologias”. Precisamos enfrentar a possibilidade de que as inovações tecnológicas não estejam prontas a tempo de nos permitir manter os níveis atuais de produção de aço enquanto reduzimos as emissões a zero.

A pesquisa envolveu o mapeamento dos fluxos atuais de aço na indústria japonesa e o uso de um modelo para explorar como a indústria poderia mudar se um orçamento rígido de carbono fosse aplicado no futuro. O Dr. Watari explica que, com a prática atual, a quantidade e a qualidade do aço produzido diminuiriam drasticamente sob um orçamento de emissão zero de carbono. Isso se deve à falta de recursos e à prática do downcycling, em que sobras de aço com impurezas são aproveitadas para a fabricação de novos produtos. É difícil remover essas impurezas, por isso os novos produtos têm qualidade e funcionalidade diferentes do aço original.

De acordo com o Dr. Watari, “a produção de aço com emissão zero é possível até 2050, mas em quantidade e qualidade limitadas em comparação com a produção total atual. Isso se deve à disponibilidade limitada de recursos compatíveis com emissão zero e às práticas de downcycling da sucata de aço.”

A pesquisa indica que, com um orçamento de carbono de emissão zero, a produção de produtos siderúrgicos seria dramaticamente restrita em comparação com hoje, atingindo cerca de metade dos níveis atuais, na melhor das hipóteses. Nesse caso, a produção de aço de alta qualidade (por exemplo, chapas de aço) seria especialmente afetada.

A implicação é clara. Não basta contar com a materialização de uma bala de prata tecnológica para transformar a oferta de aço. Também precisamos analisar seriamente as estratégias para reduzir a demanda, mudando nossa cultura de uso do aço e melhorando nossa eficiência de material. Também precisamos buscar o upcycling para produzir aço de alta qualidade a partir de sucata de aço.

Isso exigirá a colaboração daqueles que usam o aço, bem como daqueles que o produzem. Os produtos de aço poderiam ser mais eficientes em termos de recursos se fossem projetados para durar mais ou para serem leves. Quando os produtos de aço atingem o fim de sua vida útil, a reciclagem pode ser realizada por meio de classificação e trituração avançadas para remover as impurezas da sucata de aço. Como sociedade, o Japão também pode ter que se tornar menos dependente do aço e mudar para um modelo de ‘uso de serviços’ em vez de propriedade de produtos. Ao contrário de hoje, quando o aço é abundante e barato, um futuro líquido zero exigirá que usemos recursos de aço mais escassos e caros com maior eficiência.

Dr. Watari conclui que precisamos investir em inovações tecnológicas, mas não podemos simplesmente esperar que elas apareçam. Em vez disso, os usuários de aço precisam se preparar para um mundo onde há menos aço disponível: “Não negamos a necessidade de investir em tecnologias inovadoras de produção. Em vez disso, o que queremos destacar é que devemos buscar opções muito mais estratégicas, em vez de de simplesmente confiar em tecnologias de produção de bala de prata. Colocar a eficiência de materiais e a reciclagem no centro dos planos de descarbonização pode reduzir a dependência excessiva de tecnologias de produção inovadoras e preparar para o risco de que essas tecnologias não cresçam suficientemente com o tempo.”

Com informações de Science Daily.

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *