Jogo do ano 2021 – Deathloop

Um bom truque de mágica faz com que o impossível pareça possível e inspira uma sensação infantil de maravilha. Observe qualquer mágico deslumbrar o público com um truque de prestidigitação, desorientação ou ilusão de ótica e você verá até as pessoas mais estoicas com uma expressão de espanto. É um tipo único de alegria que quase sempre é seguido por uma necessidade desesperada de descobrir o truque. “Quão?” os espectadores perguntarão, tentando entender.

Há anos, o desenvolvedor Arkane Studios vem aplicando alguns dos truques de mágica mais impressionantes do mercado. Através da série Dishonored e Prey, ele entregou mundos que são impressionantes e intrincadamente projetados, e que – o mais importante – apresentam ao jogador possibilidades aparentemente infinitas. Isso tudo em cima de direção de arte deslumbrante, personagens memoráveis ​​e histórias envolventes.

XBOX em Oferta

Tocando agora: Jogo do ano de 2021 da Cibersistemas | Deathloop

Os jogos de Arkane parecem criações impossíveis, cada uma delas um conjunto complexo de sistemas e mecânicas interligadas que apresentam um espaço dinâmico onde os jogadores são convidados a cutucar e cutucar sua natureza mecânica e observar como ela reage sem desmoronar. Como um simulador envolvente e um jogo de ação, Deathloop é mais um esforço impressionante de Arkane a esse respeito. Mas o que o eleva e o torna o Jogo do Ano de 2021 da Cibersistemas é que ele nos dá tudo o que mais queremos depois de sermos impressionados por um truque de mágica: uma espiada atrás da cortina.

Em minha análise do Deathloop, eu o descrevi como um jogo introspectivo no qual Arkane desconstrói sua própria marca de ação aberta e apresenta todas as peças necessárias a ela. Tendo jogado muitas horas a mais desde aquela análise, percebi como isso é significativo como uma conquista e o impacto que provavelmente terá.

Os jogos de Arkane podem ser opressores para muitas pessoas. Eles são, por sua própria natureza, incrivelmente complexos e muitas vezes exigem muito do jogador desde o início. Deathloop, no entanto, apresenta uma peça do quebra-cabeça por vez e usa a mecânica do loop de tempo para dar ao jogador o espaço e espaço para respirar para considerá-la, antes de apresentar outra. Dentro de cada loop, existem inúmeras oportunidades para contextualizar uma ideia ou testar os limites de um mecânico, seja um poder sobrenatural ou um armamento estranho. Isso acontece repetidamente até que todas as peças estejam dispostas na frente do jogador, que então deve montar o quebra-cabeça, dar um passo para trás e ver a imagem completa.

Não se pode subestimar o quão impressionante é que Arkane criou um jogo inspirado em vários gêneros “hardcore” como o sim imersivo e roguelite, e o entregou de uma forma que parece acessível a qualquer pessoa. E é ainda mais impressionante que tenha feito isso enquanto consagra sua própria identidade como desenvolvedor de jogos. Tudo o que os jogos anteriores do estúdio são amados pode ser encontrado no Deathloop, e cada peça é executada excepcionalmente bem.

Blackreef é um cenário fascinante onde seus habitantes estão cientes de que nada importa porque o mundo será reiniciado infinitamente. E, naturalmente, isso abre caminho para que os melhores tipos de aberrações surjam e cheguem ao topo. Os Visionários de Blackreef são personalidades marcantes com nuances como pessoas e desafiadoras como alvos de assassinato. E, no entanto, mesmo ao lado deles, os dois personagens principais, Colt e Julianna, são ainda mais memoráveis. A verdadeira natureza do relacionamento das duplas é uma narrativa cativante, e suas conversas acerbas oscilam entre hilárias, assustadoras e às vezes sombrias.

Nenhuma legenda fornecida

Deathloop também é um jogo que coloca a representação na frente e no centro de uma forma natural e sem esforço. Tudo, desde a aparência e fala dos personagens, até a música, a moda e as escolhas estéticas, são inspirados diretamente ou homenageiam a cultura negra de maneira autêntica. Tudo isso se junta para criar uma experiência distintamente de Arkane.

Há muito o que amar no Deathloop, mas também é um lançamento marcante por causa do potencial que tem de influenciar futuras gerações de designers e desenvolvedores. É uma aula magistral de como fazer jogos Arkane, então jogar Deathloop também é um exercício para entender como uma equipe incomparável no gênero de simulação imersiva conseguiu realizar seu truque de mágica tantas vezes. É como aprender um conhecimento proibido, o tipo de revelação que faria com que você fosse expulso do Círculo Mágico. Você pode ter certeza de que as lições que o jogo oferece capacitarão as pessoas a tentarem por conta própria – e os jogos ficarão melhores com isso.

Deathloop é aquela espiada atrás da cortina que muitos desejam tão desesperadamente. É Arkane nos mostrando como todos nós podemos fazer o impossível parecer possível.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *