Lovecraft Country Episódio 5: Ovos de Páscoa e referências em ‘estranho caso’

Lovecraft Country Episódio 5: Ovos de Páscoa e referências em ‘estranho caso’

14 de September, 2020 0 By António César de Andrade
Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

No quinto episódio de Lovecraft Country, o show vai de terror corporal total. A maioria dos personagens lida com isso figurativamente, lutando contra como se sentem por dentro e como se apresentam ao mundo. Tic luta contra a violência dentro dele quando quase mata Montrose em uma surra unilateral. Montrose luta contra seus sentimentos por Sammy em um mundo que não os aceita. Leti luta contra a fé religiosa de sua mãe, que ela fingia ter, mas nunca assumiu.

E Ruby, graças à magia de William, consegue viver – literalmente – dentro da pele de uma mulher branca. E embora lhe permita acesso aos espaços e oportunidades que antes lhe eram negados, ela acaba deixando sua segunda pele para trás, especialmente depois que começa a descontar suas frustrações na única outra mulher negra que trabalha em sua loja de departamentos.

Aqui estão todos os ovos de Páscoa e referências que notamos no quinto episódio de Lovecraft Country, “Strange Case”. Quando terminar, dê uma olhada em nossos guias do ovo de Páscoa para episódios anteriores.

  • Episódio 1: “Sundown”
  • Episódio 2: “Whitey está na lua”
  • Episódio 3: “Espírito Santo”
  • Episódio 4: “Uma História da Violência”

1. Caso estranho

O título do episódio, “Strange Case”, foi tirado da novela de terror Strange Case of Dr. Jekyll e Mr. Hyde de Robert Louis Stevenson, sobre um homem da ciência que usa um soro para se transformar em uma pessoa do mal e satisfazer sua depravações.

2. Lembra dela?

A mulher branca em que Ruby se transforma é Dell, a mesma mulher do Episódio 2 que estava guardando a torre da cidade com cães de ataque. Isso implica que o soro da metamorfose pode estar ligado a pessoas que os Braithwaites conhecem e às quais têm acesso.

3. Paciência e prudência

A música que está tocando durante a viagem de carro de polícia de Ruby é o cover de Patience and Prudence de “Tonight You Belong To Me”. É assustadoramente apropriado (já que ela está sendo levada de volta para William contra sua vontade), e também é um chapéu para a antologia de terror da série American Horror Story, que usou a música várias vezes durante sua execução, incluindo em seu piloto.

4. Interseccionalidade

É importante notar que durante a cena do passeio de carro de polícia, Ruby é tratada melhor do que era como uma mulher negra, mas como uma mulher branca, ela ainda não é tratada como igual aos homens brancos; ela é amplamente ignorada pelos policiais que a estão levando de volta para William. Vários fatores colidem para criar cidadãos de segunda e terceira classes.

5. Metamorfose

Durante a cena em que William abre Ruby para acelerar sua transformação, há uma reportagem na televisão sobre gafanhotos e seu processo de muda / metamorfose. Ele lembra uma novela de Franz Kafka chamada “Metamorfose”, sobre um homem que acorda e se vê transformado em uma barata gigante.

6. O arco-íris é Enuf

O monólogo falado que narra os dias de Ruby como uma mulher branca é da peça teatral “Para meninas de cor que consideraram suicídio / Quando o arco-íris é Enuf”. É usado ironicamente para discutir as dificuldades das mulheres negras na América enquanto Ruby está desfrutando dos benefícios comparativos da feminilidade branca.

7. Tutti Frutti

Pat Boone, uma musicista branca, canta a versão “Tutti Frutti” que Ruby e seus colegas dançam no intervalo do trabalho. Little Richard, um músico negro, foi o criador da música. A versão de Boone, no entanto, acabou se destacando, porque sua música era considerada “mais segura” para lares brancos em 1956. Essa atitude se reflete nas atitudes dos colegas de trabalho em relação aos negros; eles querem ir a um bar Black no South Side para se divertir, embora também temam.

8. Norman Rockwell

Os colegas de trabalho discutem seu chefe, Paul, como alguém que vive em uma pintura de Norman Rockwell. Rockwell era um artista do Saturday Evening Post, famoso por seus retratos sentimentais da vida suburbana americana. Embora seu nome seja freqüentemente invocado como uma abreviação para “cidade pequena da América super-idealizada”, Rockwell também abordou questões sérias em sua arte. Mais notavelmente, sua representação de Ruby Bridges integrando as escolas públicas na Louisiana continua a receber aclamação generalizada.

9. Torso

O capitão da polícia parece ter o torso de um homem negro quando tira a camisa, o que levanta todo tipo de perguntas. Em um episódio sobre dupla natureza e múltiplas identidades, Lancaster está usando o corpo de uma pessoa negra para se manter vivo? Isso lembra a premissa central do filme “Get Out”. Jordan Peele, que escreveu e dirigiu o filme, é o produtor executivo de Lovecraft Country.

10. Stiletto

Ruby usa um estilete para estuprar Paul. O salto agulha tornou-se popular na América na década de 1950 e passou a simbolizar o poder sexual e a feminilidade. Adequada ao episódio, a palavra “estilete” originalmente se referia a uma adaga italiana do século XV.

11. Vestidos e camisas

A grande revelação no final do episódio foi aquela que previmos na semana passada: William e Christina são a mesma pessoa. No início do episódio, você pode ver vários vestidos pendurados no armário de William, o que prenuncia a reviravolta.