Melhores jogos de 2020 – Half-Life: Alyx


Meia-vida: Alyx é familiar. Em comparação com as parcelas anteriores da franquia, até parece um pouco igual. Você consegue armas, luta contra terríveis zumbis controlados por um headcrab, arrasa os militantes Combine, resolve quebra-cabeças e tenta libertar um mundo de um controle alienígena multidimensional. No papel, é difícil apontar uma diferença enorme entre o Half-Life: Alyx e o Half-Life 2, um jogo de 16 anos. No entanto, Half-Life: Alyx é diferente de tudo que eu já joguei antes. Sim, é um jogo de realidade virtual, e a imersão que daí advém define a experiência. No entanto, além da realidade virtual, está um videogame tão meticulosamente elaborado e tão fascinante em sua execução que a familiaridade e a simplicidade se tornam um golpe de brilho.

Nos momentos iniciais do jogo você tem tempo para interagir e brincar com o mundo. Antes de colocar as mãos em qualquer arma, uma das primeiras coisas com que você pode se armar é um marcador. Usando minhas mãos reais e os controladores do Vive, peguei o marcador e comecei a desenhar em uma janela com ele. Eu poderia limpá-lo com uma borracha ou borrar com meus dedos. Esse momento, aparentemente sem importância naquele momento, na verdade serviu de base para o que viria reconectando meu cérebro e abrindo minha mente para as possibilidades de que o jogo seria executado nas horas seguintes.

A partir daí, Half-Life: Alyx me jogou em poços de vasta escuridão com uma lanterna para fornecer algum pequeno nível de visibilidade. Lá, monstros horríveis me cercaram, me paralisando de medo enquanto eu gritava em pânico e me atrapalhava para recarregar minha arma. Esgotada e com medo, deixei cair minha revista no chão porque estava tremendo fisicamente na vida real, tentando controlar a situação enquanto headcrabs voavam pelo ar em direção ao meu rosto. Momentos depois, eu estava hackeando um terminal em um minijogo de tirar o fôlego, apenas para ser jogado na penetrante luz do dia da Cidade 17, onde fui com armas em chamas em um tiroteio contra o militante Combine. Em um antigo pátio de trem, me abaixei e ziguezagueei pelo ambiente, agachando-me fisicamente e me protegendo, mirando minhas vistas através de aberturas estreitas no ambiente.

É uma experiência de jogo que só pode ser verdadeiramente entendida, sentida e apreciada em RV. E é ainda mais aprimorado com a implementação das Luvas de Gravidade. Half-Life: Alyx pega uma das armas mais marcantes do Half-Life 2, a Gravity Gun, e a adapta habilmente para caber em suas mãos, permitindo que você puxe e puxe itens em sua direção e os pegue no ar. Nada é mais satisfatório do que puxar uma prancha de madeira em suas mãos e usá-la para acertar um headcrab de uma janela. Isso traz um sorriso ao meu rosto só de pensar nisso. E eu nem falei sobre Jeff ainda … mas não vou estragar isso para você. Apenas saiba que Jeff é ótimo e absolutamente assustador.

No final do jogo, eu estava puxando granadas do ar e jogando-as de volta em grupos de inimigos, usando uma mão para agarrar rapidamente um vil de saúde e me injetar enquanto usava a outra para disparar minha espingarda ao virar da esquina, todos os enquanto acompanhado pelas batidas pulsantes e hipnóticas da incrível trilha sonora de bateria e baixo de Alyx. O jogo faz a transição de momentos de puro terror para resolução de quebra-cabeças e tiroteios de ranger os dentes. Novos tipos de inimigos são regularmente apresentados a você ao longo do caminho.

A verdadeira magia de tudo isso é que o jogo nunca o confunde com tutoriais; não segura sua mão. Seu design é tão elegante e sua mecânica parece tão natural que aprender a jogar Half-Life: Alyx é simplesmente fazer o que parece instintivo. Ao mesmo tempo, você nunca está completamente perdido, o jogo sempre o leva sutilmente exatamente para onde você precisa ir em seguida, sem fazer você se sentir como se estivesse sendo conduzido de alguma forma. O ritmo de Alyx é impecável – uma prova de seu design de jogo não adulterado e execução focada. Desde usar o marcador nos momentos iniciais até eventualmente chegar ao nível de confiança de John Wick ao carregar armas, o jogo ensina tudo sem nunca dizer nada.

Além da realidade virtual, está um videogame tão meticulosamente elaborado e tão fascinante em sua execução que a familiaridade e a simplicidade se tornam um golpe de brilho.

O mundo icônico que Half-Life 2 estabeleceu torna-se ainda mais tangível graças à escrita e aos personagens de Alyx, que inclui Russell (dublado por Rhys Darby), que é um dos maiores companheiros da memória recente. Russel é um membro da resistência e inventor das Luvas de Gravidade, e auxilia Alyx em sua jornada. Suas piadas cômicas acalmam seus nervos durante as cenas de tensão, e a fala de Darby rapidamente torna a voz de Russell um cobertor reconfortante nos momentos mais horríveis. Outras cenas dão peso e profundidade ao personagem de Alyx, e sua percepção de um mundo controlado pós-alienígena (um mundo em que ela nasceu e cresceu). Esses momentos são calorosos, aterradores e humanizantes, o que é valioso em uma jornada solitária. Você sente o que está em jogo em um mundo dominado por um regime opressor de uma forma que os jogadores nunca sentiram como Gordon Freeman. Como Alyx, você vive a vida dela como um membro da resistência; uma espiã escondida à vista de todos, até ser jogada de cabeça em uma jornada desesperada para resgatar seu pai.

Tudo isso é encerrado por uma conclusão que puxa o tapete debaixo de seus pés, dá-lhe uma mão amiga para se levantar e então o otário o soca exatamente quando você conseguiu encontrar o equilíbrio. É um final que me deixou com falta de ar e recuperando o fôlego muito depois de já ter tirado o fone de ouvido. E não são apenas os momentos finais do jogo provavelmente enraizados na minha memória para sempre, mas também recontextualiza toda a franquia. Sem revelar muito, Half-Life Alyx reinventa a franquia de uma forma que traça o caminho para o futuro da série.

Nenhuma legenda fornecida

Quer você tenha uma afinidade existente com o Half-Life ou não, o Half-Life: Alyx é algo que você não pode perder. A dificuldade em vivenciá-lo, entretanto, está em sua barreira. Atualmente, está bloqueado para os requisitos de PC e VR. Mas, aqueles capazes de jogar Half-Life: Alyx sem dúvida concordarão que ele define um novo padrão para jogos de RV, e sua excelência abrirá o caminho para que mais desenvolvedores explorem a RV para apresentar experiências significativas.

Como observei, Half-Life: Alyx é familiar, mas o jogo é tão holístico em seu design, humor, ritmo, jogabilidade, escrita, personagens, terror e comédia, que se distingue como distinto e único. Os jogos da Valve são poucos e distantes hoje em dia e ainda assim Alyx exala tanta confiança e consciência de si mesmo que mostra que o estúdio ainda está entre os melhores quando se trata de design de jogos. E além de conseguir tudo isso, ele consegue ressuscitar uma franquia lendária e aparentemente morta para entregar algo que é diferente de tudo que você jogará este ano.

É meia-vida, por completo. Não precisa se provar como qualquer outra coisa. Mas, mais uma vez, se posiciona como uma das franquias mais influentes e importantes do meio.

Tocando agora: Half-Life: Alyx – Nomeado do jogo do ano 2020

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *