Wrestlemania 36: Bray Wyatt luta novamente John Cena foi confuso e bizarro



Não há muito precedente para esse tipo de partida cinematográfica, por isso hesito em dizer o que deveria ou não ser. Mas o Firefly Fun House Match que John Cena e Bray Wyatt colocam em Wrestlemania 36 estabelece algum tipo de limite superior para o que o público da WWE está disposto a engolir. Era caótico (qual era o objetivo), mas também era incoerente (o que provavelmente não era o objetivo). Os múltiplos cortes e interlúdios bizarros não ajudaram a história que esses dois homens estavam tentando contar.

O que tornou o Undertaker e o Boneyard Match de AJ Styles tão bom é o fato de contar uma história clara e linear que ocorreu em um cenário do mundo real. É verdade que houve um pouco de confusão: o Undertaker se teletransportou de um local para outro, e ele conjurou fogo em várias ocasiões. Mas não recebemos nenhuma informação nova para processar; o Undertaker não revelou superpotências inéditas. E, por mais maluco que fosse, havia uma base superficial na realidade; eles estavam, afinal, lutando em um local físico e identificável.

XBOX em Oferta

Os segmentos de luta livre cinematográfica não precisam ser realistas. Mas eles precisam aderir à sua própria lógica narrativa. E a partida entre Wyatt e Cena não fez isso.

Caso em questão: é possível (embora não seja provável) que dois homens se encontrem em um cemitério para brigar, e uma equipe de filmagem possa estar lá para capturá-lo. Não é possível que John Cena tenha alucinações sobre momentos passados ​​em sua carreira, e que uma equipe de câmeras possa existir dentro de sua cabeça para gravá-los. Você pode contar uma história sobre acontecimentos insanos em um lugar real. Mas pode ser impossível, no contexto de uma luta livre, contar uma história lógica dos sonhos que se passa na mente de alguém.

Mas mesmo se aceitarmos que as alucinações são de alguma forma projetadas no mundo real, Cena não reage a elas de forma consistente. É um referendo sobre controle e o desejo de Cena de ser tudo para todos. Mas o tempo todo, eu estava pensando em como um bom esporte Cena era participar desses esboços, em vez de vê-lo como uma vítima neles. E então os vários Bray Wyatts – um entregando a garra da mandíbula, outro contando o alfinete, outro lixo falando – empurram as coisas demais para o absurdo. O público começa a pensar um pouco na logística, e não na história que está sendo contada. E nesse ponto, a conexão emocional se foi.

Sim, todo mundo sabe que está com script. Mas o apelo do wrestling profissional é assistir as pessoas se comprometerem de todo o coração a fazê-lo parecer real. Uma boa luta de luta livre (mesmo cinematográfica) deve nos fazer suspender nossa descrença. E nesta partida, houve muitos saltos lógicos para que isso acontecesse. Para mim – e isso pode ser uma opinião minoritária – não foi uma boa partida e não foi um bom cinema. Até o acampamento precisa de algum fundamento rudimentar.

Talvez esse feudo merecesse uma construção mais longa nas semanas que antecederam a Wrestlemania, nas quais Cena lentamente se desenrolou devido a frequentes alucinações. Talvez outras pessoas possam experimentar alucinações também, para estabelecer que elas são projetadas no mundo real. Talvez se tivéssemos visto uma variedade de reações fora de Cena nas semanas anteriores, essa partida teria sido mais consistente. Certamente a atual situação global não tornou o desenvolvimento narrativo fácil ou orgânico. Mas só podemos julgar o resultado final, e essa partida tentou fazer muito em muito pouco tempo. A partida Undertaker vs. Styles, por outro lado, contou com três décadas de história para dar peso e contexto.

A boa notícia é que essa partida sofreu mais de ambição do que de falta dela. Definitivamente, existe um lugar e um futuro para as partidas de cinema na WWE. Mas, na minha opinião, essa partida, neste momento e local em particular, não é.

Confira mais em Wrestlemania 36:





Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *