10 melhores momentos da saga O Senhor dos Anéis de Peter Jackson

Início » Notícias » Tech » 10 melhores momentos da saga O Senhor dos Anéis de Peter Jackson

Com um novo capítulo na Senhor dos Anéis saga no horizonte, é um momento tão bom quanto qualquer outro para lembrar o quão impactante Peter Jackson Senhor dos Anéis saída foi. O diretor neozelandês dedicou bem mais de uma década a trazer esse mundo para a tela, e o fez com notável sucesso na trilogia original. Embora O Hobbit A trilogia é menos universalmente amada, e com razão, é importante reconhecer que ainda existem alguns momentos de magia nesse capítulo da saga de Jackson.

Os melhores momentos do trabalho de Jackson chegam a algo elementar sobre o que torna essa história tão poderosa. Há discursos, batalhas e tudo mais, e enquanto esta lista se inclina para sua trilogia original, O Hobbit recebe alguns acenos também.

10. Pippin canta uma música

Canção de Pippin: Edge of Night (LOTR) + legendas/letras

Peter Jackson costuma ser incrivelmente bom em cross-cutting, e um de seus melhores momentos de edição paralela ocorre quando Denethor diz a Pippin para cantar para ele. A montagem musical que se segue mostra Denethor comendo um banquete de maneira verdadeiramente horrível enquanto envia seu filho para o que provavelmente será sua morte.

É um momento que destaca a crueldade de Denethor tanto com seus servos quanto com seus filhos, e também é uma peça cinematográfica verdadeiramente sublime. A voz de Billy Boyd vai te dar calafrios, assim como aquele momento em que o suco de um tomate escorre pelo queixo de Denethor.

9. Enigmas no escuro

Bilbo Bolseiro e Gollum jogam um jogo de charadas | O Hobbit: Uma Jornada Inesperada | HBO Max

Pode parecer barato dizer que um dos poucos momentos de O Hobbit trilogia que realmente se compara ao seu antecessor vem quando Gollum aparece, mas os enigmas que passam entre Gollum e Bilbo são inegáveis. Esses enigmas são evidências da diferença de tom entre as duas trilogias, mas aqui, Gollum consegue ser tão sinistro quanto durante seus piores momentos na trilogia original. A decisão final de Bilbo de pegar o anel e fugir é o que coloca toda a história em movimento, mas mesmo que fosse uma reunião menos impactante, a escrita e as performances ainda a tornariam digna de inclusão.

8. Sméagol encontra o anel

O prólogo de abertura de o Retorno do Rei é quase como um filme de terror independente. Vemos Sméagol e seu primo, Déagol, pescando juntos em um pequeno lago. Quando Déagol cai no lago e descobre o anel, Sméagol é rapidamente enredado por ele e mata seu primo para tomar posse dele. Então, somos tratados com uma montagem horrível enquanto Sméagol se transforma lentamente na criatura que conhecemos como Gollum. É uma prévia horrível do que está reservado para Frodo, bem como um lembrete de que Gollum já não era tão diferente de um hobbit.

7. Bilbo conhece Smaug

A primeira introdução de Smaug não é apenas uma peça impressionante de CGI, é também uma indicação de quão central esse dragão falante é para a história de O Hobbit. Muito parecido com a conversa de Bilbo com Gollum, sua interação com Smaug é definida em parte pela capacidade de Bilbo de sair de situações profundamente assustadoras. A filmagem dos bastidores de Benedict Cumberbatch se contorcendo é muito divertida, mas é difícil negar o efeito. Smaug é tão aterrorizante quanto deveria ser, mesmo exibindo uma inteligência que pode surpreender alguns espectadores.

6. A iluminação dos faróis

Um momento que paira nas costas de Howard Shore, que coloca em música uma montagem emocionante mostrando uma série de faróis de homens para sinalizar que Gondor pediu ajuda a Rohan não deve ser tão emocionante quanto acaba sendo. Acima de tudo, o que faz este momento funcionar é o seu alcance, pois vemos farol após farol aceso e somos lembrados de que o mundo dos homens realmente pode se unir se os egos dos reis puderem ser superados. Também nos dá a chance de apreciar as belas paisagens da Nova Zelândia, que representam a Terra-média ao longo da trilogia.

5. Discurso de Aragorn no Portão Negro

Aragorn reúne um exército de elfos e homens com a intenção de distrair Sauron para que Frodo e Sam possam destruir o anel. É uma batalha final concebida como um sacrifício heróico. As forças do nosso novo rei estão em desvantagem numérica, mas ele marcha para a batalha de qualquer maneira. Antes de fazê-lo, porém, ele faz um dos discursos mais empolgantes de todo o cânone, afirmando sua crença de que o fim dos homens chegará, mas não hoje. É inspirador e comovente, e ele fecha quase em um sussurro, olhando para as pessoas com quem compartilhou essa jornada e dizendo: “para Frodo”.

4. A Batalha do Abismo de Helm

Talvez a maior sequência de batalha já filmada, Jackson encena a Batalha do Abismo de Helm com uma clareza tão notável que cada batida parece totalmente lógica. Há muito humor para quebrar o ritmo, incluindo a decisão de Gimli de permitir que Aragorn o jogue em um exército de Uruk-hai. Em última análise, o que torna Helm’s Deep tão impressionante é a sua escala, e a sensação genuína de que você tem cerca de dois terços do caminho de que toda a esperança está perdida. Quando Gandalf aparecer, ninguém o culpará por se levantar e torcer.

3. Você. Não deve. Passar!

A morte de Gandalf perto do fim de Irmandade é a primeira indicação para os hobbits de que sua aventura terá um custo real. O momento funciona tão bem porque é épico e totalmente triste. Gandalf consegue proferir algumas falas instantaneamente lembradas nesta sequência, mas tudo sobre ela se mantém bem, incluindo o CGI de mais de 20 anos. Irmandade é o filme da trilogia que é o mais leve na ação, mas quando a luta começa, é um dos melhores em toda a obra de Peter Jackson.

2. Sméagol fala sozinho

O desempenho de Andy Serkis como Gollum/Sméagol é uma das grandes maravilhas de toda a carreira de Jackson, e as habilidades de Serkis nunca são mais aparentes do que quando Gollum e Sméagol discutem um com o outro em Duas torres. Através de simples edição e pesca, podemos ver uma conversa real entre as duas personalidades em guerra dentro de Gollum e entender como essa pobre e torturada criatura pensa. Sméagol pode ganhar esse argumento, mas sabemos que Gollum não vai demorar muito, mesmo que Sméagol lhe diga para “sair agora e nunca mais voltar”.

1. Sam fala sobre esperança

Frodo tem o trabalho mais difícil em Senhor dos Anéis, mas Samwise Gamgee é o coração de toda a história. Em um único discurso perto do final de Duas torres, Sam resume todo o projeto da obra de Tolkien, descrevendo o mundo melhor pelo qual ele e Frodo saíram de casa para lutar. Sam fala sobre como, na escuridão, pode parecer que não há mais nada para ver. Em última análise, porém, a escuridão passa, e o sol brilha ainda mais claro por ter desaparecido. Ele exorta Frodo a manter a esperança, e todos nós choramos. “Há algo de bom neste mundo, Sr. Frodo,” Sam diz. “E vale a pena lutar por isso.”






Com informações de Digital Trends.

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *