Astronauta da ISS mostra como a RCP é realizada no espaço

Início » Notícias » Tech » Astronauta da ISS mostra como a RCP é realizada no espaço

Com os especialistas médicos mais próximos a cerca de 250 milhas e a uma viagem de nave espacial, os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) precisam ser bem treinados quando se trata de realizar primeiros socorros e outros tratamentos médicos importantes.

Mas com a microgravidade tornando as condições da estação um pouco diferentes daquelas em terra firme, alguns dos métodos de resposta precisam ser adaptados para que sejam eficazes.

Faça a ressuscitação cardiopulmonar (RCP), um procedimento que salva vidas que é administrado quando o coração de alguém para de bater. Como a maioria das pessoas sabe, envolve uma série de compressões torácicas para manter o sangue da pessoa circulando para que continue oxigenando os órgãos, especialmente o cérebro, evitando danos.

A atual habitante da ISS, Samantha Cristoforetti, compartilhou recentemente um vídeo com seus um milhão de seguidores no Twitter que oferece algumas dicas sobre como a RCP é administrada no espaço.

Praticando RCP no Espaço ⛑ #MissionMinerva #RCP #LifeInSpace@esa @esaspaceflight @Estação Espacial pic.twitter.com/qfEcqpCMU6

— Samantha Cristoforetti (@AstroSamantha) 2 de setembro de 2022

Para realizar compressões torácicas na Terra, usamos nosso peso corporal para aplicar pressão na parte superior do corpo. Mas no espaço, a ausência de gravidade torna isso difícil, pois o procedimento de compressão faria com que o astronauta se afastasse da pessoa que está tentando salvar.

Cristoforetti, que chegou ao posto orbital em abril para uma estadia de seis meses, mostra algumas maneiras de contornar isso.

O primeiro parece ser o método único da astronauta italiana – movendo-se para uma posição de cabeça para baixo e colocando os pés na superfície da estação para dar a ela a capacidade de empurrar para baixo. Claro, o astronauta precisa ter uma certa altura para que esse método funcione.

O segundo método usa uma alça na lateral do leito de RCP da estação. A pessoa que realiza a RCP coloca o cinto ao redor do corpo para ficar seguro no lugar, para que possa aplicar pressão com eficiência.

Existem também pelo menos três outras maneiras de realizar a RCP em condições de microgravidade. O método de Evetts-Russomano, por exemplo, envolve o socorrista posicionando suas pernas de uma forma que permite que seus tornozelos se encaixem no centro das costas do paciente para que eles gerem força no peito para as compressões sem se afastarem.

Há também a técnica do abraço de urso reverso, onde o socorrista envolve os braços em torno do paciente por trás para realizar as compressões. Finalmente, o straddle da cintura envolve o socorrista sentado montado no paciente, com tiras garantindo que eles permaneçam seguros.

Para lidar com uma situação como parada cardíaca, o ISS também é equipado com um desfibrilador externo automático que usa choques elétricos para retornar o ritmo cardíaco de uma pessoa ao seu estado normal.

Até o momento, nem a RCP nem o tratamento com DEA tiveram que ser usados ​​na Estação Espacial Internacional. No entanto, com missões de longa duração para a Lua e Marte nos cartões, e um aumento nos voos orbitais civis resultando em mais pessoas de idades e condições físicas variadas indo para o espaço, há uma chance crescente de uma emergência médica ocorrer longe da Terra.

Com isso em mente, a NASA e seus parceiros continuarão a garantir que o treinamento médico de emergência seja uma parte importante do treinamento de um astronauta.






Com informações de Digital Trends.

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *