Hubble vê como as estrelas poderiam ter se formado no início do universo

Início » Notícias » Tech » Hubble vê como as estrelas poderiam ter se formado no início do universo

Com os primeiros resultados científicos vindos do Telescópio Espacial James Webb, estamos aprendendo mais do que nunca sobre o universo primitivo. Mas não é apenas o Webb que está ajudando os cientistas a entender o universo quando era jovem – como demonstra um recente lançamento do Telescópio Espacial Hubble, também temos muito a aprender com outras ferramentas.

Pesquisadores do Hubble recentemente compartilharam esta imagem de um aglomerado de estrelas na Pequena Nuvem de Magalhães, uma galáxia anã satélite da nossa Via Láctea. Esta pequena galáxia tem uma composição química diferente da nossa galáxia e, portanto, é mais parecida com as galáxias encontradas no início do universo, então estudá-la pode nos ajudar a aprender sobre como as estrelas nasceram quando o universo ainda era jovem.

Um enorme aglomerado de estrelas na Pequena Nuvem de Magalhães, uma galáxia satélite da Via Láctea.
Os astrônomos ficaram confusos ao encontrar estrelas jovens espiralando no centro de um enorme aglomerado de estrelas na Pequena Nuvem de Magalhães, uma galáxia satélite da Via Láctea. O braço externo da espiral neste enorme berçário estelar de formato estranho – chamado NGC 346 – pode estar alimentando a formação de estrelas em um movimento semelhante ao do rio de gás e estrelas. Esta é uma maneira eficiente de alimentar o nascimento de estrelas, dizem os pesquisadores. NASA, ESA, A. James (STScI)

O aglomerado de estrelas, chamado NGC 346, é pequeno em tamanho com apenas 150 anos-luz de diâmetro, mas é um berçário estelar particularmente movimentado. Esta região está cheia de estrelas jovens, e essas estrelas parecem estar se formando em uma estrutura espiral de gás e estrelas que os pesquisadores comparam a um rio. Isso pode ajudar a explicar por que a taxa de formação de estrelas aqui é tão alta.

“As estrelas são as máquinas que esculpem o universo. Não teríamos vida sem estrelas e, no entanto, não entendemos completamente como elas se formam”, explicou a líder do estudo, Elena Sabbi, do Space Telescope Science Institute, em Baltimore, em um comunicado. “Temos vários modelos que fazem previsões, e algumas dessas previsões são contraditórias. Queremos determinar o que está regulando o processo de formação estelar porque essas são as leis que precisamos para também entender o que vemos no universo primitivo.”

As descobertas são relevantes para o universo primitivo porque, como as galáxias primitivas, existem relativamente poucos elementos pesados ​​encontrados na Pequena Nuvem de Magalhães. Isso significa que as estrelas aqui queimam quentes e brilhantes e morrem mais rapidamente do que as estrelas em nossa galáxia. Ver como as estrelas nascem neste aglomerado, onde o material se move em formação espiral, ajuda a explicar o que pode ter acontecido no período de dois a três bilhões de anos após o Big Bang.

“Uma espiral é realmente a maneira boa e natural de alimentar a formação de estrelas de fora para o centro do aglomerado”, explicou outro dos pesquisadores, Peter Zeidler, da AURA/STScI para a Agência Espacial Européia. “É a maneira mais eficiente que as estrelas e o gás que alimentam mais formação estelar podem se mover em direção ao centro.”






Com informações de Digital Trends.

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *