Vimos filmes de terror que lidaram com babás slashers, psicopatas caçadores de conselheiros de acampamento, assassinos de sonhos com serial killers, bonecas de plástico mortais, maníacos empunhando motosserras e até alguns Palhaços assassinos do espaço sideral. Mas o gênero de terror já teve um filme sobre o terror causado por ser muito educado?

Essa é a premissa intrigante por trás Não fale mal, o novo filme dinamarquês que é apenas um dos poucos filmes do “subgênero do Airbnb” de anfitriões mortais de casas alugadas. Em entrevista ao Digital Trends, o diretor do filme, Christian Tafdrup, fala sobre a inspiração real para seu filme, por que ele foi atraído pelo gênero de terror apesar de nunca ter feito um, e como ele quer que seu filme faça as pessoas um pouco um pouco mais confortável em falar em situações sociais embaraçosas.

Nota: esta entrevista foi condensada para fins de extensão e clareza.

Tendências Digitais: O que o levou a fazer Não fale mal?

Christian Tafdrup: Um dia, eu estava olhando para a parede dos meus pais e eles tinham um cartão postal com um convite de um casal que conheceram em outro país pedindo para visitá-los novamente. Essa imagem do cartão postal daquela casa era tão assustadora e achei que era uma ideia muito simples e relacionável para um filme. Esse tipo de cenário também ocorreu em minha própria vida. Conheci um casal holandês na mesma época na Toscana com minha própria família. Fizemos amizade com eles e eles nos convidaram para a Holanda e dissemos que não.

Morten Burian e Sidsel Siem Koch gritam dentro de um carro.

Com todas as boas ideias, você de repente começa a criá-las em sua cabeça. Como seria isso? E se fôssemos ficar com essa família e se não fosse uma comédia? Porque no começo eu achei que essa é uma ideia bem típica de uma comédia onde você tem alguns desentendimentos entre casais.

E então eu pensei, se isso realmente não fosse uma comédia, e se fosse um terror e realmente fosse para um lugar muito sombrio? Começou como uma ideia e então eu quis me desafiar: a pior coisa que eu poderia fazer era fazer um filme de terror porque eu não sou tão experiente nesse gênero. Nunca assisti muitos filmes de terror. Eu tinha medo dos clichês, mas achava que algumas das convenções do horror eram extremamente eficazes. O principal objetivo do horror é perturbar o público, o que é algo que eu gosto muito.

Quando você começou a desenvolver essa ideia e foi para o reino dos filmes de terror, você voltou para algum filme específico que estava no gênero de terror ou filmes que são perturbadores nos quais você se inspirou?

Bem, claro, eu pensei um pouco sobre o que eu gostava nos filmes de terror que eu gostava, e descobri que se é um bom filme de terror, eu realmente gosto da primeira metade. E então eu acho que no segundo semestre, especialmente no final, muitas vezes fica muito louco e quer se explicar.

O propósito do filme acaba sendo que ele só queria assustá-lo. E enquanto os personagens não são profundos e a história é leve, eu gosto da construção do final. Eu gosto do suspense. Eu gosto dessa ideia, acho que algo ruim vai acontecer. Ainda não sei e não sei para onde estamos indo, mas é para isso que estamos indo.

Se você seguir a maneira de Roman Polanski de fazer horror ou O Exorcista onde você tem muito realismo relacionável, você não começa apenas vendo cabeças girando e demônios cuspindo vômito. Você toma seu tempo para fazer com que o público conheça o universo.

Com Não fale mal, estabelecemos o cenário de forma muito clara e gradual: acontece em uma casa naturalista que qualquer família poderia se relacionar ou desejar. Descobri ao longo do caminho que acho que essa é a coisa mais assustadora que eu poderia fazer: se o horror é relacionável, ou se o horror é mais entre seres humanos do que entre um humano e alguns elementos sobrenaturais.

Na verdade, tínhamos muitos elementos sobrenaturais no roteiro no começo, mas eles não foram muito bem escritos porque eu não sou muito bom nisso. Então, um dia descobrimos, vamos tirar isso. Como resultado, o horror em Não fale mal é mais suspense e desconfortável. Isso faz com que o público pergunte: “O que está acontecendo?” É desconforto mais do que gritar até o fim.

É correto descrever Não fale mal como um filme de terror sobre polidez? Qual foi sua intuição sobre sondar nossas limitações de ser educado e o medo de ser honesto com outra pessoa?

Bem, imediatamente me interessei pelo comportamento social e pelas regras sociais e o quanto somos ditados por isso. Às vezes queremos agradar a todos e, como resultado, nos sacrificamos. Não ouvimos aquela voz interior que está dizendo: “Realmente não me sinto confortável aqui. Eu posso sentir isso, mas talvez seja minha culpa. Talvez seja um mal-entendido. Estou muito obcecado com o que as outras pessoas pensam de mim.”

Acho que isso é uma coisa muito humana. E então eu pensei, essa é uma maneira muito legal de ter uma visão do horror. E se for deles [the protagonists’] própria culpa? Eles poderiam pegar o carro e sair a qualquer minuto, mas não o fazem. Se você conheceu alguém que lhe disse que é médico, você não espera que ele minta sobre isso. Você sabe, essas são as regras sociais. Essas regras são algo que nas sociedades ocidentais privilegiadas nos ensinam desde crianças. Queremos fazer parte do grupo. Queremos nos comportar bem. E se não o fizermos, ficamos com vergonha de nós mesmos.

É maior que a polidez. É como a base de ser bem criado e muito humanista. Às vezes, quando você é muito empático, você pode realmente permitir a maldade, você está permitindo isso. Porque você não tem as ferramentas para realmente lutar contra isso, você não pode nem acreditar que está acontecendo [to you].

Speak No Evil 1

Eu pensei que era uma visão muito original e moderna do terror. Com este filme, posso dizer algo sobre a sociedade e algo que considero muito verdadeiro em mim e nas pessoas do meu país.

O que você quer que os espectadores tirem Não fale mal depois de assistirem?

Bem, eu quero que eles fiquem perturbados com isso porque essa era uma das nossas principais intenções. Mas também desejo que eles possam refletir sobre como vivemos nossas vidas, o que fazemos a nós mesmos, e talvez devêssemos às vezes ser mais honestos sobre o que sentimos e confiar nessa intuição. Descobri na vida real que posso dizer às pessoas que não quero mais estar aqui. Acho que tenho que sair. Não é muito confortável aqui. Claro, o filme teria terminado se os protagonistas fossem bons nisso no começo.

Não se sacrifique tanto. Temos essa tendência de sermos brutais com nós mesmos porque o comportamento social nos dita muito. Pense em si mesmo como seu melhor amigo e cuide de si mesmo dessa maneira.

Não fale mal está atualmente transmitindo no Shudder.






Com informações de Digital Trends.