ACLU processa registros de reconhecimento facial na fronteira


A União Americana das Liberdades Civis processou por informações sobre os controversos programas de reconhecimento facial do governo Trump. O processo da ACLU exige mais detalhes sobre como os agentes de controle de fronteiras examinam os rostos dos viajantes na fronteira com os EUA e planeja expandir os recursos de reconhecimento de rosto, que permitem “vigilância governamental persistente e indetectável em grande escala”.

A ACLU registrou solicitações de registros públicos no Departamento de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CBP), Imigração e Alfândega (ICE) e Administração de Segurança de Transporte (TSA), todos parte do Departamento de Segurança Interna. Ele está procurando comunicações em torno do Serviço de Verificação de Viajante, um sistema que combina fotografias dos rostos dos viajantes com um banco de dados de imagens.

O pedido também abrange uma ampla gama de preocupações em torno do reconhecimento facial. Inclui acordos com empresas privadas, como companhias aéreas, além de políticas formais e informais sobre quem pode acessar e armazenar dados. Ela quer detalhes sobre alguns planos nebulosos futuros para expandir as capacidades de reconhecimento facial, potencialmente dificultando a entrada ou saída de cidadãos americanos do país sem que seus rostos sejam digitalizados e registrados. E deseja informações sobre as armadilhas que esses sistemas biométricos enfrentam, incluindo possíveis desvios que os tornam menos precisos na identificação de certas faces.

As agências de controle de fronteiras testaram sistemas de reconhecimento facial sob o governo Obama, mas expandiram-se rapidamente sob o presidente Donald Trump. Até agora, os cidadãos americanos podem optar por não participar do processo, mas o CBP propôs torná-los obrigatórios no ano passado e depois recuou em meio a críticas ao plano.

“O público carece de informações essenciais sobre a reversão do CBP na elaboração de regras pretendidas”, escreve a ACLU em sua denúncia. “Também falta informações essenciais sobre os planos do CBP e da TSA de expandir a tecnologia de reconhecimento facial nos aeroportos e na fronteira; como as fotografias ou “impressões de rosto” obtidas pelo CBP ou TSA serão acessadas por aeroportos, companhias aéreas e fornecedores comerciais, bem como pelas autoridades federais, estaduais e locais; e quão ineficaz, discriminatória e cara essa tecnologia de reconhecimento facial pode ser. ”

O reconhecimento facial – tanto por governos quanto por empresas – é uma preocupação crescente entre os defensores da privacidade. São Francisco e duas outras cidades proibiram o uso da tecnologia pelo governo, e a União Européia considerou uma proibição temporária dela em espaços públicos, com apoio provisório do Google.



Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *