As melhores ferramentas de segurança de aplicativos em 2020


O software está se tornando cada vez mais onipresente. Bibliotecas de código aberto são amplamente utilizadas, pois tornam mais fácil para os desenvolvedores se concentrarem nos recursos principais dos aplicativos que estão construindo.

O uso dessas bibliotecas de código aberto oferece enormes benefícios de produtividade. No entanto, também apresenta desvantagens – nomeadamente em relação à segurança.

Os cibercriminosos e hackers têm explorado cada vez mais vulnerabilidades em aplicativos e sistemas de TI. Portanto, tornou-se cada vez mais importante garantir que as bases de código minimizem ou eliminem totalmente as vulnerabilidades.

No entanto, manter o controle sobre todas as vulnerabilidades, sem falar nas atualizadas, em projetos pode ser muito assustador. É por isso que neste artigo vamos dar uma olhada em oito ferramentas que automatizam a detecção e a correção de pontos vulneráveis ​​em um projeto.

WhiteSource Bolt

WhiteSource Bolt é provavelmente uma das ferramentas de segurança de aplicativo mais simples de usar. Ele tem duas versões – um aplicativo GitHub e um aplicativo de extensão do Microsoft Azure.

A versão GitHub verifica um repositório sempre que um push é feito (ele faz no máximo cinco verificações por dia por repositório). Em seguida, ele cria um problema para cada dependência de código aberto vulnerável que detecta.

Os problemas contêm informações sobre a vulnerabilidade, links de referência, árvore de dependência e correções sugeridas.

A versão do Azure é uma extensão do Visual Studio Code (VSCode) que verifica todos os projetos e detecta bibliotecas de código aberto e vulnerabilidades neles, em seguida, fornece correções.

Ele se integra bem com Azure DevOps e Team Foundation Server e detecta todos os componentes de código aberto em um projeto sem verificar o código.

Varredura profunda

Varredura profunda é uma ferramenta que analisa o código JavaScript e TypeScript. Em sua essência, ele não apenas inspeciona a qualidade do código à la ESLint, mas também emprega análise de fluxo de dados e analisa o fluxo de execução. Erros e problemas de qualidade são detectados mesmo sem executar o código.

O DeepScan funciona com a maioria das bibliotecas JavaScript, como React e Vue.js.

As equipes podem simplesmente integrar o repositório GitHub de seus projetos com o DeepScan. Cada vez que um push é feito em um repositório, o DeepScan fornece um relatório em tempo real sobre os resultados do teste.

Uma das melhores coisas sobre isso é que os padrões de qualidade do código são mais aplicáveis. O DeepScan motiva as equipes a escrever código de qualidade, classificando o projeto como Ruim, Normal ou Bom.

SonarQube

SonarQube é uma plataforma de código aberto que inspeciona continuamente um projeto quanto à qualidade do código, bugs, cheiros de código e até vulnerabilidades de segurança.

É uma ferramenta escrita em Java mas tem a capacidade de analisar outras linguagens através do uso de plugins.

Ao contrário da maioria dos outros nesta lista, SonarQube não está integrado em um projeto como uma extensão simples do GitHub. Ele precisa ser instalado na máquina local para que você possa usá-lo.

Funciona recebendo os arquivos do projeto como entrada e depois fazendo as análises necessárias. Em seguida, ele gera dados com base na análise, armazena esses dados em um banco de dados e os exibe em um painel.

Dependabot

Dependabot é uma ferramenta que você usa dentro do GitHub que cria automaticamente solicitações pull após a detecção de vulnerabilidades.

Esta ferramenta realiza varreduras em todos os arquivos de dependência de um repositório e procura por dependências desatualizadas ou inseguras. Em seguida, ele gera uma única solicitação pull para cada dependência desatualizada ou insegura. O desenvolvedor pode então verificar essas solicitações pull e mesclar conforme necessário.

A grande vantagem do Dependabot é que ele é propriedade do GitHub para que possa ser integrado perfeitamente a qualquer repositório. Ele realiza monitoramento constante e atualiza rapidamente os usuários quando há uma nova vulnerabilidade.

Pode ser muito caótico receber notificações diárias, então os usuários podem configurar a frequência com que a ferramenta realiza varreduras e cria solicitações de pull.

SourceClear

SourceClear, que é propriedade de VeraCode, é uma ferramenta que ajuda os desenvolvedores a entender mais sobre as bibliotecas de código aberto que estão usando. SourceClear fornece informações sobre essas bibliotecas, como quem as criou, o que fazem e quais dependências dessas bibliotecas têm vulnerabilidades.

SourceClear combina bem com o fluxo de trabalho do desenvolvedor e fornece relatórios em tempo real sobre os riscos do código aberto. Possui ferramentas de aprendizado de máquina que permitem fornecer essas informações detalhadas para cada biblioteca utilizada.

Uma de suas principais características é a priorização de vulnerabilidades que estão diretamente no caminho de execução do código. Isso pode reduzir o tempo de correção de grandes projetos em até 90%.

SpotBugs

SpotBugs, um sucessor de FindBugs, é um analisador de código estático para bases de código Java. Ele pode ser usado como uma ferramenta independente ou integrado a outras plataformas / ferramentas.

A maioria dos programas Java compila de forma limpa, mas ainda apresenta erros. A compilação captura principalmente erros de sintaxe e referências, entre outros. O uso de ferramentas de análise estática, como SpotBugs, oferece uma solução mais abrangente para detectar bugs e até vulnerabilidades.

SpotBugs inspeciona bytecode Java (não o código-fonte) e verifica os padrões de bug. Em seguida, classifica os erros ou erros em potencial com base em sua gravidade: Preocupante, Perturbador, Assustador, Mais assustador.

Esta ferramenta é muito boa para identificar padrões de bugs (mais de 400).

Proteção de aplicativo Arxan

Proteção de aplicativo Arxan é uma solução total para “proteger aplicativos por dentro e por fora”. O principal ponto de venda dessa ferramenta – Protegendo aplicativos contra engenharia reversa.

Muitos dos ataques de hoje, como clickjacking são desenvolvidos por cibercriminosos por meio de hackers no código binário do aplicativo e, em seguida, criando um aplicativo de réplica. Os usuários são então levados a confiar nesse aplicativo falso e a fornecer seus dados, como senhas de bancos.

A Arxan protege um aplicativo de tais ataques “fortalecendo” o código do aplicativo inserindo “guardas de código” nele. Esses protetores de código são unidades de segurança minúsculas que protegem o aplicativo e uns aos outros contra comprometimento e detectam ataques em tempo de execução.

GitLab

Um de GitLab’s As principais propostas de valor para desenvolvedores é que é uma das ferramentas de devops mais requintadas que existem. Somado a isso está o foco do GitLab na implantação segura.

A plataforma incorporou segurança em seu arsenal de devops já carregado. Os desenvolvedores podem se concentrar na codificação, confiantes de que qualquer vulnerabilidade de segurança será rapidamente detectada. Isso o torna muito agradável de usar, pois nenhuma ferramenta ou integração adicional é necessária.

Ele emprega o que chama de Secure Stage, onde todas as partes de segurança dos devops são executadas. Esse “estágio” tem como objetivo identificar proativamente quaisquer vulnerabilidades antes que possam ser exploradas no código de produção.

Conclusão

Cada ferramenta tem seus próprios prós e contras e a escolha de usar uma em vez da outra depende do gosto particular do desenvolvedor. Freqüentemente, algumas ferramentas podem até ser usadas juntas.

O resultado final é que hoje em dia estamos mais equipados para lidar com questões de segurança antes que se tornem grandes problemas em nossos projetos de aplicativos.



Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *