Conheça frotas: o Twitter está testando tweets que desaparecem


A web social moderna é um lugar de impermanência. Postar em perpetuidade é passado; o feed fixo deu lugar a histórias efêmeras. Snap, Facebook, Instagram e até o LinkedIn introduziram postagens temporárias e auto-elimináveis. Agora o Twitter está se juntando a eles.

“A partir de hoje no Brasil, estamos testando as frotas, uma nova maneira de iniciar conversas com seus pensamentos fugazes”, anunciou a empresa em uma postagem no blog Quarta-feira.

Alguns aspectos do novo recurso parecerão familiares. Como as histórias do Instagram ou do Facebook, as frotas – sim, frotas – serão exibidas em um carrossel na parte superior da linha do tempo da casa e desaparecerão após 24 horas. As frotas também terão um limite de 280 caracteres, como tweets regulares, com a opção de adicionar imagens, vídeos ou GIFs, mas os usuários não poderão retuitar, curtir ou responder publicamente. As pessoas podem responder às frotas através de mensagens diretas, se os DMs estiverem abertos. Dependendo de como o teste é realizado no Brasil, o Twitter diz que pode levar o recurso a outros países.

“As pessoas nos disseram em pesquisas anteriores que, porque as frotas desaparecem, elas se sentem mais dispostas a compartilhar pensamentos casuais e cotidianos”, escreve Mo Aladham, gerente de produto do grupo no Twitter Brasil, no anúncio. (Uma tradução em inglês da postagem, originalmente em português, foi fornecida pelo Twitter com antecedência.) “Esperamos que as pessoas que normalmente não se sintam confortáveis ​​Tweeting usem o Fleets para compartilhar reflexões sobre o que estão pensando.”

As notícias podem parecer estranhas: quase todos os tweets se enquadram na categoria de “pensamentos fugazes”. Desde o início, o limite de caracteres do Twitter e a atualização constante do feed incentivaram a concisão e a velocidade, se não sempre. Jack Dorsey, co-fundador do Twitter e atual CEO, costumava twittar regularmente sobre literalmente nada: “Volte para casa esperando evitar a chuva. Mas primeiro: depois do chá com bolhas de ioga. Rapidamente!” Com o tempo, porém, e com mais usuários, o Twitter evoluiu. As reflexões disparadas sem pensamento, ou destinadas a um público limitado, podem voltar como fantasmas vingativos. As pessoas perderam empregos, compromissos políticos e amizades por causa de tweets que não envelheceram bem.

Por anos, os usuários do Twitter têm procurado maneiras de destruir esses tweets fossilizados. Sempre foi possível excluir manualmente os tweets pelo aplicativo ou excluir toda a sua conta. Mas os usuários que queriam garantir que seus tweets não perdessem tempo precisavam recorrer a ferramentas disponíveis no mercado, como o Tweet Deleter e o Tweet Archive Eraser, que excluem tweets antigos em intervalos regulares. Aqueles se tornaram mais populares nos últimos anos; Tweet Deleter afirma ter eliminado mais de 700 milhões de tweets. Com as frotas, o Twitter traz algumas dessas funcionalidades para o aplicativo.

Não seria a primeira vez: muitos dos recursos mais populares do Twitter vêm de soluções improvisadas de seus usuários. Antes de haver um botão de retweet, as pessoas usavam “RT” como prefixo para repostar o tweet de outra pessoa. Antes de haver uma função de tag, as pessoas usavam o símbolo @ como uma referência abreviada para outra pessoa. As frotas parecem seguir uma pista do aumento da exclusão de tuítes e do aumento de postagens efêmeras em outras plataformas sociais.

De todos os problemas no Twitter, no entanto, a inibição social não costuma chegar ao topo da lista. Como muitas plataformas, o Twitter tem lutado com spam, assédio, mídia manipulada e campanhas coordenadas de desinformação. A empresa concentra-se em “saúde conversacional” desde 2018, após críticas de que não estava fazendo o suficiente para seus usuários. O anúncio do Twitter sobre frotas fornece uma referência sutil à iniciativa. “Queremos possibilitar que você converse de novas maneiras com menos pressão e mais controle, além de tweets e mensagens diretas”, escreve Aladham no anúncio.





Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *