Europa desativa instrumentos em algumas sondas do espaço profundo durante pandemia de coronavírus


A Agência Espacial Européia está colocando quatro de suas missões espaciais em “configurações seguras” em meio à nova pandemia de coronavírus, enquanto a agência planeja reduzir o número de pessoas que podem entrar no centro de controle de missões da ESA na Alemanha. Os instrumentos dessas naves espaciais serão desligados e os veículos serão “praticamente desacompanhados” enquanto viajam pelo Sistema Solar, de acordo com a ESA.

“Nossa prioridade é a saúde de nossa força de trabalho e, portanto, reduziremos a atividade em algumas de nossas missões científicas, especialmente em naves interplanetárias, que atualmente exigem o maior número de pessoal no local”, disse Rolf Densing, diretor de operações da ESA, em uma afirmação.

Das missões que escurecem, duas incluem veículos que orbitam Marte – o ExoMars Trace Gas Orbiter e o Mars Express – que medem a atmosfera do Planeta Vermelho. Uma missão chamada Cluster também está silenciosa, que inclui quatro naves espaciais atualmente em órbita ao redor da Terra que estudam como as partículas vindas do Sol interagem com o campo magnético de nosso planeta. A missão Solar Orbiter da ESA, lançada em fevereiro para estudar os polos do Sol, também está desligando seus instrumentos.

A maioria dos funcionários da ESA trabalha em casa há duas semanas, mas a agência decidiu aumentar as restrições em seu Centro Europeu de Operações Espaciais em Darmstadt, na Alemanha, depois que um funcionário que trabalha no local teve um resultado positivo para o COVID-19. Governos locais, estaduais e nacionais na Europa também implementaram restrições mais rígidas em todo o continente, o que levou em consideração a decisão da ESA.

A agência sustenta que essas naves espaciais estão todas em órbitas estáveis ​​e estarão seguras enquanto estiverem nessas novas configurações. “Essas sondas são projetadas para sustentar com segurança longos períodos com interação limitada ou inexistente com o solo, necessários, por exemplo, para os períodos que passam atrás do Sol, vistos da Terra, quando não é possível contato por rádio por semanas”, acrescenta Densing. “Estamos confiantes de que, com interações muito limitadas e pouco frequentes com o controle no solo, as missões podem permanecer com segurança nesse modo de operação por meses, caso a duração das medidas de mitigação de coronavírus exija.”

Enquanto isso, o pessoal que ainda tem permissão para o controle da missão se concentrará em manter as outras naves espaciais da ESA em todo o Sistema Solar, incluindo o veículo BepiColombo a caminho de Mercúrio. Essa espaçonave está programada para fazer um sobrevôo da Terra em abril, e a ESA diz que apenas um “número muito pequeno de engenheiros” estará disponível para realizar a manobra. Eles também garantirão um bom distanciamento social enquanto estiverem no controle da missão.

Essas não são as primeiras missões espaciais europeias a sofrer atrasos e contratempos devido à nova pandemia de coronavírus. O lançamento do rover Rosalind Franklin Mars da ESA foi adiado para 2022, em parte devido às restrições de viagens que estão sendo impostas por toda a Europa. E os lançamentos do principal porto espacial da Europa na Guiana Francesa foram suspensos indefinidamente até a pandemia desaparecer.



Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *