Google criará um site para coronavírus – mas não como Trump disse


Quando o presidente Trump anunciou sexta-feira que o Google estava desenvolvendo um site para os americanos descobrirem onde poderiam fazer o teste para o novo coronavírus, os detalhes do projeto continuavam incertos. Não havia uma página de destino, nenhum comunicado de imprensa do Google e nenhum anúncio de nenhum dos executivos da gigante da tecnologia.

O governo prometeu que mais viriam no fim de semana. Enquanto isso, os meios de comunicação informavam que o site em questão tinha um escopo muito mais limitado, e desenvolvido não pelo Google, mas por outra subsidiária da Alphabet chamada Verily. Como a WIRED informou pela primeira vez, o Google não sabia que isso seria mencionado pelo presidente. Desde então, no entanto, a empresa disse que lançará um site de coronavírus na segunda-feira, mas não como o que o presidente descreveu.

Uma entrevista coletiva na Casa Branca no domingo não forneceu muito mais informações – ou clareza. Em vez disso, Trump criticou a imprensa, alegando que os tweets do Google haviam “substanciado” seus comentários de sexta-feira e que o CEO Sundar Pichai havia pessoalmente pedido desculpas pelas “notícias falsas”. O Google se recusou a comentar as declarações do presidente sobre Pichai. A assessoria de imprensa da Casa Branca não contestou os relatórios da WIRED quando procurou por comentários que antecederam o briefing e se recusou a comentar antes do evento de domingo.

O próprio Trump não deu mais detalhes sobre o site do Google. O vice-presidente Mike Pence fez uma referência breve. “Em algum momento no início da semana, teremos um site que será exibido, cujo objetivo será que as pessoas participem e primeiro preencham um questionário”, disse ele. Pence acrescentou que a Casa Branca também estava trabalhando com outras empresas de tecnologia. Ele também mencionou a possibilidade de adicionar locais de teste, mas não forneceu cronograma.

Uma postagem de blog escrita pelo CEO do Google e publicada domingo não menciona um questionário ou teste. “Estamos em parceria com o governo dos EUA no desenvolvimento de um site dedicado à educação, prevenção e recursos locais do COVID-19 em todo o país”, escreveu Pichai. “Lançaremos uma versão inicial do site na segunda-feira, 16 de março, e continuaremos a aprimorá-lo e atualizá-lo com mais recursos continuamente”.

“Literalmente, a equipe trabalha sem parar desde sexta-feira”, disse Pence, que é o dia em que Trump surpreendeu o Google com seu anúncio em primeiro lugar.

Leia toda a nossa cobertura de coronavírus aqui.

Significativamente mais detalhes foram fornecidos pelo governador da Califórnia, Gavin Newsom, que revelou a parceria de seu estado com Verily em uma entrevista coletiva minutos antes do início da reunião da Casa Branca. “Estamos muito encorajados por esta parceria, muito entusiasmados por finalmente anunciar – sei que houve algumas conversas sobre isso na mídia”, disse Newsom. Na verdade, publicou um anúncio em seu próprio site no domingo também. “A ferramenta triagem as pessoas que estão preocupadas com o risco de COVID-19 em locais de teste com base em orientações de autoridades de saúde pública e disponibilidade de testes”, diz o documento.

Em sua conferência de imprensa, Newsom descreveu um portal da Web com “perguntas específicas” para determinar se alguém precisava ser testado e encaminhá-lo para um site de testes móvel nas proximidades. Quando for lançado na segunda-feira, o portal funcionará com dois locais-piloto na área da baía, um no condado de Santa Clara e outro no condado de San Mateo. Newsom indicou que os pilotos “expandirão significativamente para outras partes do estado”, mas também não deram um cronograma.

“Esperamos que essa parceria possa ser ampliada e acreditamos que será um modelo nacional”, afirmou o governador. Ao mesmo tempo, ele enfatizou: “É apenas um teste. Então, eu só quero lembrar as pessoas dessa estrutura e não promovê-la por algo que não é. “

Tem uma dica? Usando um dispositivo que não seja de trabalho, envie um e-mail ao escritor em louise_matsakis@wired.com Sinal: 347-966-3806. A WIRED protege a confidencialidade de suas fontes.

O que Trump e outros funcionários da Casa Branca descreveram na sexta-feira soou significativamente mais adiante e muito mais difundido. Como parte de uma parceria público-privada mais ampla, o presidente afirmou que 1.700 engenheiros do Google estavam trabalhando em um site para os americanos acessarem informações de testes de coronavírus e que haviam feito “um tremendo progresso”. Deborah Birx, especialista em saúde pública convocada pela Casa Branca para ajudar a coordenar a resposta da administração ao vírus, levantou um fluxograma que descreve como o site deveria funcionar. Os usuários precisariam fazer login em uma ferramenta de triagem, que avaliaria seus sintomas. Se eles se qualificassem para um teste de coronavírus, o site os direcionaria a “percorrer” locais onde eles poderiam obter um. O mesmo site também informaria às pessoas se elas eram positivas para a doença.



Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *