O míssil ‘monstro’ de Kim Jong-un pode sobrecarregar os sistemas de defesa

O míssil ‘monstro’ de Kim Jong-un pode sobrecarregar os sistemas de defesa

12 de October, 2020 0 By António César de Andrade

Durante um grande desfile militar na Coréia do Norte, Kim Jong-un lançou um míssil temível que pode embalar várias armas atômicas em um único projétil que provavelmente poderia atingir qualquer cidade dos EUA por sistemas de defesa opressores, de acordo com relatórios.

Especialistas em armas disseram que a provável configuração do motor do “monstro” míssil balístico intercontinental Hwasong-16 permitiria a entrega de vários milhares de libras de carga útil em qualquer lugar dos EUA, de acordo com Bloomberg News.

RELACIONADOS: Rússia testa arma ‘imparável’

O déspota aparentemente aprendeu com a ex-União Soviética que é mais eficaz adicionar ogivas a um único sistema do que construir mais mísseis, de acordo com Ankit Panda, autor de Kim Jong-un e a bomba: sobrevivência e dissuasão na Coreia do Norte.

“Eles podem saturar as defesas tendo mais veículos de reentrada do que os EUA podem esperar se defender”, disse Panda, um membro sênior do Carnegie Endowment for International Peace, na segunda-feira em um seminário na web organizado pela NK da Coréia do Sul Notícia.

Panda estimou que o Hwasong-16 poderia conter até quatro ogivas. O Hwasong-15, que Kim lançou em novembro de 2017, era considerado como tendo uma única ogiva, Bloomberg relatado.

O Reino Eremita precisaria lançar 11 ICBMs de uma ogiva para ter pelo menos 1 chance em 3 de escapar dos sistemas de defesa antimísseis e detonar um dispositivo termonuclear em uma cidade americana, disse Panda.

Quanto mais ogivas ele puder disparar, maior será a chance de dominar os sistemas de defesa dos EUA, acrescentou.

“Se os norte-coreanos tiverem dúvidas sobre o desempenho de seus próprios veículos de reentrada, colocar vários veículos de reentrada em um míssil balístico simplesmente aumenta as chances de um deles detonar com sucesso”, disse Panda.

A cerca de 26 metros, o novo míssil de combustível líquido parece ser cerca de dois a três metros mais longo do que o Hwasong-15, estimam os especialistas em armas.

Também é mais amplo, tornando-se o maior ICBM móvel rodoviário de seu tipo no mundo.

O regime desonesto exibiu quatro dos novos mísseis durante o desfile, cada um carregado por um caminhão de 11 eixos nunca visto antes.

“É enorme”, disse Melissa Hanham, especialista em armas e vice-diretora da Rede Nuclear Aberta, que chamou o míssil de “um monstro”.

Durante seu discurso no desfile que marcou o 75º aniversário do Partido dos Trabalhadores no poder, Kim disse que só usaria seu arsenal se provocado.

“Mas se alguma força tentar usar seu poderio militar contra nós, irei mobilizar preventivamente nossa força ofensiva mais poderosa e puni-la”, disse ele.

Os motores do Hwasong-16 podem ter sido testados em dezembro, mas seu desempenho real não pode ser avaliado até que a Coréia do Norte o lance em meio a riscos políticos para Kim, porque violaria sanções internacionais.

Um teste também minaria a insistência do presidente Trump de que sua diplomacia pessoal levou Kim a interromper os lançamentos de teste de foguetes de longo alcance.

Se a Coréia do Norte testasse o míssil, provavelmente o enviaria em uma trajetória para alcançar um apogeu de cerca de 5.000 quilômetros – 12 vezes mais alto do que a Estação Espacial Internacional, disse Panda.

Xu Tianran, analista da Rede Nuclear Aberta, disse O sol que o míssil “provavelmente poderia atingir todos os EUA com uma ogiva nuclear muito grande e de alto rendimento, ou duas ou mais ogivas se as ogivas fossem menores e mais leves”.

Markus Garlauskas, um ex-oficial de inteligência dos EUA para a Coreia do Norte, disse que o míssil – estimado em mais de 2.000 megatoneladas – apagaria quaisquer dúvidas remanescentes de que Pyongyang poderia atingir os EUA, de acordo com a mídia do Reino Unido.

“Se o Hwasong-15 podia transportar uma ogiva nuclear ‘supergrande’ para qualquer lugar dos EUA, a questão natural é o que esse míssil maior pode carregar?” ele disse Reuters.

O analista aposentado da CIA, Bruce Klingner, da Heritage Foundation, disse: “A mensagem clara era que, contrariando as afirmações dos EUA, a ameaça nuclear norte-coreana não foi resolvida”.

Este artigo apareceu originalmente no New York Post e foi reproduzido com permissão.

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]