Peixes-escorpião ‘ambulantes’ extremamente raros registrados na Austrália pela primeira vez

Os cientistas fizeram a primeira observação registrada na Austrália do peixe-escorpião extremamente raro.

O colorido e bem camuflado predador de emboscada foi fotografado em uma expedição na Grande Barreira de Corais.

O peixe parece “caminhar” ao longo do fundo do mar usando suas barbatanas peitorais, descritas como “um andar desajeitado e pesado”.

Os cientistas dizem que o peixe nunca foi visto na Austrália, sendo o mais próximo no Havaí.

RELACIONADOS: Perspectiva de longo prazo de Reef rebaixada em relatório sombrio

RELACIONADO: Como a Austrália pode lidar com a mudança climática

Na expedição às regiões mais profundas do recife, os cientistas também descobriram cinco espécies não descritas, consistindo de corais negros e esponjas.

A pesquisa foi feita a bordo do navio de pesquisa Falkor, do Schmidt Ocean Institute, em sua quarta expedição no ano, como parte da campanha do Instituto na Austrália.

A equipe usou um robô subaquático operado remotamente para visualizar um vídeo de alta resolução do fundo do oceano, com cerca de 1820 m de profundidade.

“Isso incluiu a mais abrangente série de pesquisas de mergulho robótico em águas intermediárias já realizada no Pacífico Sul”, disse o Dr. Brendan Brooke, o cientista-chefe da expedição da Geoscience Australia.

“O navio de pesquisa Falkor integrou uma gama de tecnologias que nos permitiram trabalhar em toda a gama de profundidades oceânicas no Mar de Coral e fornecer dados para várias disciplinas, incluindo geologia, biologia e oceanografia.”

Robin Beaman, da James Cook University, disse que a expedição forneceu aos cientistas uma janela única para o passado geológico e as condições atuais do recife, permitindo que cientistas e administradores de parques pudessem ver e contar a história completa dos ambientes interconectados.

“Essa visão é inestimável para a ciência, gestão e educação”, disse ele.

Eles coletaram a primeira amostra de rocha antiga sob a Grande Barreira de Corais, com idade estimada entre 40 e 50 milhões de anos.

O cruzeiro também incluiu a pesquisa mais abrangente de medusas de meia água no Pacífico Sul.

O mapeamento de alta resolução do fundo do mar foi realizado e cobriu 38.395 quilômetros quadrados, uma área três vezes maior do que Sydney.

Dr. Beaman sabia que as novas espécies de coral negro descobertas eram lindas.

“Eles nem sempre são pretos, tendem a ser mais vermelhos”, disse ele ao ABC.

“Quando morrem, porém, o esqueleto remanescente é desta bela cor preta, que as pessoas às vezes veem como peças de joalheria em diferentes partes do mundo.

“Está completamente frio, está completamente escuro, não tem luz solar lá embaixo. Eles dependem inteiramente de qualquer alimento que esteja passando pela coluna de água para sobreviver. ”

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

Apaixonado por tecnologia e inovação, traz notícias do seguimento que atua com paixão a mais de 15 anos.

Comments (0)
Add Comment