Procurador-geral de Vermont está processando a Clearview AI por causa de seu controverso aplicativo de reconhecimento facial

Procurador-geral de Vermont está processando a Clearview AI por causa de seu controverso aplicativo de reconhecimento facial

11 de March, 2020 0 By António César de Andrade
Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]


O procurador-geral de Vermont, TJ Donovan, entrou com uma ação contra a Clearview AI e pediu ao tribunal que ordene que a empresa pare de coletar as fotos e os dados de reconhecimento facial da Vermonters. Em um comunicado, Donovan disse que estava “perturbado” pelas práticas de negócios da empresa, que, segundo ele, incluem a coleta e venda de dados de reconhecimento facial das crianças.

“Essa prática é inescrupulosa, antiética e contrária às políticas públicas”, disse Donovan. “Vou continuar lutando pela privacidade dos Vermonters, principalmente dos mais vulneráveis.” Donovan também confirmou que nenhum órgão estadual ou municipal de Vermont usou o aplicativo de reconhecimento facial.

A Clearview AI construiu seu aplicativo controverso capturando bilhões de imagens publicamente disponíveis de indivíduos da Internet sem seu conhecimento ou consentimento. Os clientes da Clearview – que uma lista de clientes vazados sugere que variam do Departamento de Justiça à Best Buy – podem usar o banco de dados do aplicativo para procurar pessoas de interesse usando qualquer foto disponível.

Donovan alega que este banco de dados viola a Lei de Proteção ao Consumidor de Vermont, bem como a Lei do Corretor de Dados.

A Clearview permaneceu desafiadora diante da oposição ao seu serviço, alegando que o que faz não é diferente do trabalho de um mecanismo de busca tradicional. “O Clearview AI opera de maneira semelhante aos mecanismos de pesquisa como Google e Bing. O Clearview AI, no entanto, coleta muito menos dados que o Google e o Bing, porque o Clearview AI coleta apenas imagens públicas e seus endereços da web. É tudo “, disse a empresa em comunicado à CNET. “Google, Bing e Facebook coletam muito mais dados, incluindo nomes, endereços, informações financeiras e de saúde e hábitos de compra”.

O AG de Vermont é apenas o mais recente de uma série de funcionários, empresas e indivíduos que manifestaram preocupação com o banco de dados de reconhecimento facial da Clearview AI. O procurador-geral de Nova Jersey já proibiu as forças policiais do estado de usar o aplicativo, enquanto o senador Ed Markey (D-MA) escreveu para o CEO da empresa para expressar preocupações.

Enquanto isso, os serviços que a Clearview usou para reunir seu banco de dados de imagens também se opuseram às ações da empresa. O YouTube, o Facebook, o LinkedIn e o Twitter pediram à empresa que parasse de raspar as imagens de seus sites, com muitos deles dizendo que seus termos de serviço proíbem explicitamente a prática de raspar informações.

Esta não é a primeira ação legal que a Clearview AI enfrentou. Em janeiro, ZDNet relatou que um indivíduo em Illinois entrou com uma ação contra a empresa, enquanto CNET informou que outro processo foi aberto em Nova York em fevereiro.



Fonte