A Nintendo desrespeita sua propria historia tornando a tao dificil de

Como parte do mais recente Nintendo Direct, a empresa anunciou planos para expandir o serviço Nintendo Switch Online. Nintendo Switch Online + Expansion Pack custa $ 50 USD por ano em vez dos habituais $ 20 e dá aos jogadores acesso a Animal Crossing: New Horizons DLC, bem como um número limitado de jogos Nintendo 64 e Sega Genesis emulados.

Vamos deixar o óbvio fora do caminho primeiro: a expansão é muito cara. Por US $ 50, o preço é comparável ao PlayStation Plus ou Xbox Live, ambos vendidos a US $ 60 por uma assinatura de 12 meses. Ambos os serviços oferecem um punhado de jogos grátis por mês e descontos em suas lojas digitais, além de multiplayer online para jogos pagos (no Xbox e PlayStation, jogos grátis para jogar não exigem assinatura). Por cerca de US $ 5 por mês, é um bom negócio, especialmente se você compra a maioria dos seus jogos digitalmente. Ao contrário da Nintendo, o Xbox e o PlayStation também não bloqueiam recursos online básicos como bate-papo por voz atrás de um acesso pago – você consegue isso sem ter que pagar pelo Xbox Live ou PlayStation Plus.

Em execução: Trailer de Visão Geral do Nintendo Switch Online e do Pacote de Expansão

Por US $ 20, o primeiro preço básico online da Nintendo, parece um pouco escasso. Por US $ 50, com apenas alguns recursos adicionais, parece mesquinho. Isso é especialmente verdadeiro à luz do fato de que o Switch foi lançado sem um serviço online pago – só mais tarde o multiplayer no Splatoon 2, por exemplo, se tornou um recurso de um serviço online pago. Em comparação com seus concorrentes, a inadequação da expansão Nintendo Switch Online é fácil de ver. No entanto, os detalhes do que o serviço expandido da Nintendo oferece também mostram o desprezo da Nintendo por sua história.

Como sempre foi observado, as bibliotecas de jogos retrô no Nintendo Switch Online são severamente limitadas. É a curadoria de um homem da empresa, que se apega a clássicos já estabelecidos, enquanto pula passos em falso ou esquisitices ou mesmo apenas clássicos de empresas terceirizadas. É difícil imaginar uma biblioteca NES definitiva sem Mega Man ou Castlevania, um SNES sem Final Fantasy ou Chrono Trigger, ou mesmo um N64 sem Banjo Kazooie, mas é exatamente isso que o serviço online da Nintendo oferece. A biblioteca Sega Genesis abre um pouco isso, mas pelo menos fora do portão, ainda está faltando títulos importantes como Sonic e Knuckles e clássicos de culto como Shadowrun.

O próprio cânone da Nintendo sofre com isso, mas o custo real está nas margens. Apenas NES e SNES tinham uma grande variedade de títulos que não são representados aqui, desde os horríveis (como a Torre do Relógio) até os táticos (Batalha do Ogro). Alguns nunca chegaram aos Estados Unidos, agora só podem ser reproduzidos por meio de traduções de fãs e patches de ROM. Lançamentos oficiais, mesmo em um serviço online, abririam esses jogos para um público mais amplo. Isso encorajaria uma abordagem lúdica da história dos jogos, em vez da esterilidade de “jogar os sucessos”. O serviço também se concentra exclusivamente em consoles domésticos, em oposição aos portáteis, e exclui totalmente a história mais recente. Essa ênfase mostra seus limites quando não se pode jogar Metroid Fusion antes de sua sequência Dread. A Nintendo confia e incentiva a nostalgia de seus próprios produtos, ao mesmo tempo que nega acesso a eles, muitas vezes limitando os fãs a métodos caros ou extralegais de jogar.

Para ser claro, existem sem dúvida razões jurídicas e práticas pelas quais o serviço não pode oferecer mais jogos. Por que a Capcom, a Konami ou a Square Enix ofereceriam seus jogos ao serviço online da Nintendo, quando eles podem forçar os clientes a pagar mais por seus próprios itens de nostalgia proprietários? Incluir jogos clássicos licenciados como Super Star Wars ou Disney’s Aladdin apresenta seus próprios problemas. No entanto, o fato de haver obstáculos não significa que não haja soluções. A Nintendo já trabalhou com grandes empresas para produzir colaborações antes; dê uma olhada em quase todos os personagens Smash DLC. Outras empresas enfrentaram problemas semelhantes ao colocar jogos mais antigos em suas plataformas e, no entanto, tiveram sucesso, pelo menos parcialmente. O Xbox One ganhou compatibilidade com versões anteriores abrangente somente após várias atualizações. A PSN oferece jogos para PlayStation 2 como Dark Cloud. Também é improvável que todo jogo seja um grande obstáculo para entrar no serviço. Se Sora pode estar em Smash, espero que seja possível obter Super Mario RPG no switch.

Deixando de lado a questão da própria biblioteca, o Nintendo Switch Online possui alguns recursos convenientes. O multijogador online é divertido com jogos como Kirby’s Dream Course. O recurso de retrocesso é um salva-vidas em títulos brutais como Ninja Gaiden. Esses recursos, no entanto, muitas vezes servem para destacar o apelo limitado do serviço, em vez de torná-lo autônomo. Salvar estados e retroceder são recursos básicos de muitos emuladores, sem nenhum custo adicional. Não é surpreendente que a emulação continue popular, quando o meio oficial de acessar esses jogos é mais caro e, na melhor das hipóteses, apenas moderadamente menos difícil. Ademais, qual é o ponto do multiplayer online retro se eu não consigo reunir alguns amigos para Mario Party? A razão para isso, é claro, são os lançamentos de reminiscência de Mario Party de US $ 60 da Nintendo no final deste mês. A promessa do serviço online, de jogos retro fáceis e acessíveis, se estende por um labirinto de custos.

Em conversas como essa, é importante ter em mente que os videogames são, por natureza, um tanto excludentes. Os videogames e seus consoles são caros. Os jogos geralmente não vêm com opções de acessibilidade para jogadores com deficiência. A mecânica de interação com o meio pode ser não intuitiva ou frustrante para os não iniciados. No entanto, isso não significa que mesmo as empresas com fins lucrativos não possam trabalhar para tornar o hobby mais acessível do ponto de vista financeiro e prático. Isso não significa que a Nintendo não possa pelo menos fingir o desejo de preservar sua história. E se a Nintendo incluísse títulos retrô como bônus pela compra do sistema? Isso permitiria aos usuários, especialmente crianças e famílias, acessar uma história que eles talvez nunca conhecessem, bem como impulsionar as vendas de um sistema já popular. E se o serviço fosse atualizado constantemente com novos jogos, com recursos dedicados à tradução recente ou ao destaque de títulos esquecidos?

A Nintendo gosta de se apresentar como fornecedora de games para todos, mas suas ações mostram uma empresa como qualquer outra, com uma visão estreita de nostalgia e um desrespeito pela própria história. Um historiador ou curador deve cortar e omitir, é claro. Um bom, porém, fica de olho no todo, tanto o conhecido quanto o obscuro, e sempre concede recursos para leituras futuras. A Nintendo só mostrará a história em seus próprios termos, limitando assim a exploração e, ironicamente, o jogo. O preço do Pacote de expansão Nintendo Switch Online + é apenas um sintoma desse problema fundamental.