O chefe da Bethesda, Todd Howard, se aprofundou em Starfield em uma aparição recente no Notebook Podcast do The AIAS Game Maker, compartilhando seus pensamentos e experiências sobre o que aconteceu no enorme simulador espacial. Um ponto interessante que ele mencionou foi que as naves inimigas precisavam ter sua IA fortemente nerfada para que o combate espacial fosse agradável.

Inicialmente, diz Howard, foi fácil criar uma IA inteligente para batalhas espaciais, mas eles se comportariam muito bem. “Sempre estivemos apenas lutando”, explicou ele. “Acontece que você tem que tornar a IA realmente estúpida. Você tem que fazê-los voar, eles precisam virar e basicamente dizer: ‘Ei, jogador um, você pode atirar em mim um pouco.’ E então você fornece ferramentas de IA onde o jogador pode ver: ‘Oh, ele está se afastando, eu posso fazer isso’”.

A IA inimiga foi uma das peças-chave para reunir o combate espacial como um todo, explica Howard, sendo a mecânica notoriamente difícil de implementar em videogames. Ele diz que se inspirou em jogos como FTL e títulos antigos de MechWarrior, mas queria incluir essas mecânicas “de uma forma que as pessoas pudessem entender, onde não tivéssemos que pausar o jogo no espaço”.

Apesar de a IA ter sido nerfada desde a sua concepção inicial, muitos jogadores ainda estão frustrados com o quão difícil pode ser o combate espacial de Starfield, especialmente em níveis de dificuldade mais elevados. Se você deseja melhorar suas próprias batalhas interestelares, confira nosso hub de guias Starfield.

Os produtos discutidos aqui foram escolhidos de forma independente pelos nossos editores. a publicação pode receber uma parte da receita se você comprar qualquer coisa apresentada em nosso site.

Via Game Spot. Post traduzido e adaptado pelo Cibersistemas.pt