Se você pesquisar no Google o termo “fadiga do multiverso”, encontrará uma série de artigos, postagens em mídias sociais e discussões em fóruns nos quais as pessoas reclamam do quanto a ideia de um “multiverso” permeou a cultura popular. Com as histórias de super-heróis e seus universos cinematográficos dominando os filmes e se espalhando pela TV, a ideia outrora marginal de ficção científica de múltiplos universos conectados e dimensões alternativas tornou-se popular e, com sua onipresença, meio enfadonha.

É nesse clima que a Remedy Entertainment lançou Alan Wake 2, o segundo jogo do estúdio desde que começou a falar sobre seu “Remedy Connected Universe” e vinculou narrativamente os jogos Alan Wake ao Control de 2019. E a RCU não está apenas trazendo os jogos atuais e futuros da Remedy para o mesmo mundo, para que possam se sobrepor, como eventos de crossover de programas de TV. Control é em grande parte sobre a ideia de um multiverso como algo a ser explorado, estudado e defendido, e faz muitos gestos na direção em que os jogos anteriores da Remedy poderiam estar entre essas dimensões adicionais.

Se você já estava irritado com a prevalência de universos extensos de várias histórias e multiversos estranhos, você pode ficar ainda mais frustrado com Remedy e Alan Wake 2, que vai além dos ovos de Páscoa de Control para criar texto a partir do subtexto.

Mas a abordagem da Remedy ao multiverso consegue se diferenciar de outras mídias, porque para a Remedy, o multiverso não é apenas uma forma de lucrar com personagens populares ou de reunir bases de fãs. Na RCU, o multiverso é uma força opressora que agora paira sobre todas essas histórias. Gera forças obscuras e corrompe e distorce as pessoas, ou tira-as das suas vidas e prende-as em novas realidades de pesadelo. Para a Remedy, o multiverso não é um cenário ou um artifício – é um vilão.

Embora o próprio Alan esteja tentando sair de uma dimensão alternativa sombria em todos os jogos de Alan Wake, há outro personagem que personifica perfeitamente um senso crescente de estranho nos jogos da Remedy: Warlin Door. Mencionado pela primeira vez no diálogo e nas notas em Control, a porta aparece bastante em Alan Wake 2, desempenhando principalmente um papel cômico nas viagens oníricas de Alan pela dimensão alternativa que distorce a realidade, o Dark Place. Door interpreta um apresentador de talk show quando você o encontra pela primeira vez, e ele parece mais uma personificação boba dos efeitos mais estranhos do Dark Place do que um personagem real.

Tudo isso muda quando, ao explorar o Dark Place, você encontra outra pessoa aparentemente presa no pesadelo de Alan. O xerife Tim Breaker era apenas um cara normal em Bright Falls, alguém que conheceu outro personagem jogável do jogo, o agente do FBI Saga Anderson, no início do jogo – e então ele de repente desapareceu no meio de uma conversa com Anderson. Ao jogar como Alan, é possível encontrar Tim, preso no Dark Place, tentando encontrar sua própria saída.

Conversar com Tim adiciona uma sensação diferente de pavor a Alan Wake 2. Ele conta sobre a busca por Door, que Tim acredita que o transportou para o Dark Place para começar, embora ele não saiba por quê. Tim também fala sobre sentimentos estranhos que tem, como se já tivesse estado aqui antes, mas esquecido; sobre coisas e pessoas que vê em sonhos; sobre a sensação de ser outra pessoa e conhecer pessoas quase de outra vida.

Parece que Tim está se referindo a uma ligação multiversal com a história de viagem no tempo Quantum Break, outro jogo da Remedy. Tim é interpretado pelo ator Shawn Ashmore, que interpretou o protagonista Jack Joyce em Quantum Break. Algumas das coisas sobre as quais Tim fala e escreve no quadro branco que ele usa para rastrear suas memórias e investigar Door parecem referências à vida de Jack em Quantum Break. Ele também menciona uma “mulher ruiva” que ele vive vendo e sente que conhece. Em Quantum Break, Jack conhece e trabalha com Beth Wilder, uma mulher ruiva interpretada pela atriz Courtney Hope – que interpreta o protagonista Jesse Faden em Control. Até o nome de Tim soa como uma referência a Quantum Break, já que Tim Breaker está notavelmente próximo de “time breaker”, que descreve Jack Joyce em Quantum Break.

É menos importante que Alan Wake 2 tenha ligações com Quantum Break do que observar como essa concepção do multiverso está afetando os personagens da história. Tim não é apenas um cara atravessando o multiverso, ele é alguém que está afligido por isso. Ele foi atacado por algum poder desconhecido, totalmente diferente da Presença Negra contra a qual Alan está lutando. O multiverso o pressiona, invadindo seus sonhos e alterando sua percepção. Ele perdeu o controle de sua própria existência, dos elementos fundamentais de sua identidade, e não tem ideia do porquê.

Mais tarde, Alan tem uma interação com Door em que a máscara cai. Door diz a Alan que ele está satisfeito em desempenhar um papel na história de Alan e ajudá-lo, mas que a intromissão de Alan no Dark Place está potencialmente afetando a agenda de Door.

Control fornece ainda mais contexto sobre o Door. O irmão do protagonista Jesse Faden, Dylan, fala sobre ver um “Sr. Door” em seus sonhos, que explica o multiverso para Dylan e diz que ele existe em todos os mundos, “mudando infinitamente entre eles”. Door não parece uma entidade malévola pela descrição de Dylan – Door claramente não o ajuda a espalhar o Hiss, a força antagônica semelhante à Presença Negra de Control, para outras dimensões – mas há claramente mais coisas acontecendo com ele do que sabemos.

Vale ressaltar que Quantum Break também tem um personagem semi-vilão que, no final, parece estar manipulando os acontecimentos para ajudar Jack, mas para seus próprios fins. O nome desse personagem é Martin Hatch – e lado a lado, Warlin Door parece suspeitamente com a Warioização desse nome. É claro que a Remedy não detém os direitos do Quantum Break, então essas conexões permanecem ambíguas.

Mas, novamente, não são as conexões em si que são importantes. É assim que o Remedy é usando essas conexões fazem mais do que abandonar algum serviço de fãs. Alan Wake 2 e Control sugerem não apenas um cenário mais amplo de histórias, mas também influências entre elas, forças que as atravessam e agendas executadas através delas. Quem e o que diabos é Warlin Door e o que ele quer? Aliás, quem ou o que diabos é Ahti, o zelador que aparece repetidamente em Alan Wake 2 para ajudar os protagonistas, e desempenha o mesmo papel em Control?

E isso sem falar do foco do próprio Alan Wake 2, que é sobre uma dimensão alternativa sombria e uma criatura terrivelmente poderosa liberada de dentro dela. O Lugar Sombrio e a Presença Negra são pesadelos que não pertencem ao mundo de Alan e ainda assim estão soltos nele, reescrevendo as regras da realidade.

A Remedy não está apenas criando um conto assustador sobre uma história que ganha vida em Alan Wake 2 – está semeando os fios de uma crescente história de terror cósmico que se espalha por todos os seus jogos. Existem inteligências incognoscíveis em jogo nestes mundos, elas são invisíveis, mas estão constantemente presentes, e estão atrás de alguma coisa. Eles corrompem, manipulam e matam as pessoas em seu caminho. Eles estão envolvidos em algum tipo de luta além da nossa compreensão.

Na RCU, o multiverso é menos uma série de dimensões paralelas e mais um monte de bolhas autocontidas batendo umas nas outras, combinando-se, sobrepondo-se e consumindo-se umas às outras. E a própria natureza dessas histórias sobrepostas não é apenas unir os personagens, mas pode muito bem estar enlouquecendo-os. O próprio universo pode entrar em sua mente no RCU. Pode invadir você e mudar você, alterar sua própria essência e fazer você questionar quem você é.

Se você está procurando uma maneira melhor de contar histórias do multiverso, a Remedy tem uma boa ideia. Não basta definir suas histórias em um multiverso: faça do multiverso algo com que lutar. O multiverso em si é algo aterrorizante em Alan Wake 2, e essa abordagem está transformando o RCU em algo muito mais do que um monte de jogos que se mencionam.

Os produtos discutidos aqui foram escolhidos de forma independente pelos nossos editores. a publicação pode receber uma parte da receita se você comprar qualquer coisa apresentada em nosso site.

Com informações de Pro Gamers e Game Spot.