O que James Gunn aprendeu ao ser despedido pela Marvel

Em uma entrevista recente, o diretor do Esquadrão Suicida, James Gunn, abriu ao The New York Times sobre – entre muitas outras coisas – a controvérsia do Twitter em 2018 que o fez temporariamente demitido da Marvel. O artigo vem antes do próximo filme Suicide Squad, que finalmente deve chegar aos cinemas e à HBO Max em 6 de agosto.

Como relata o artigo do The New York Time, Gunn descobriu um dia em julho de 2018 que estava se tornando uma tendência no Twitter – e não por boas razões. Detetives da Internet revelaram uma série de tweets do cineasta The Guardian of the Galaxy, que incluía várias piadas ou comentários deliberadamente grosseiros e ofensivos sobre vários tópicos delicados, incluindo Holocausto, 11 de setembro, AIDS, pedóflia e estupro. Mas, diz Gunn, não ficou imediatamente claro se haveria repercussões para esses tweets vindo à tona.

“Eu liguei para o Kevin [Feige, Marvel Studios president] na manhã em que estava acontecendo, e eu disse: ‘Isso é importante?’ “, disse Gunn.” Ele respondeu: ‘Não sei’. Esse foi um momento. Eu estava tipo, ‘Você não sabe?’ “

Gunn disse que finalmente recebeu um telefonema de Feige “em estado de choque” com notícias mais definitivas e “parecia que tudo tinha acabado … Eu nunca mais seria capaz de trabalhar. Foi assim que me senti.” A entrevista explora seu caminho de volta e as lições aprendidas com essas experiências – incluindo algumas reflexões sobre como ele tenta se responsabilizar muito mais. Ele também discute ser apenas o segundo diretor a trabalhar em um filme da DC e da Marvel – e sugere que Guardians of the Galaxy Vol. 3 (lançado em maio de 2023) provavelmente será seu último filme de super-herói por pelo menos um tempo. Vale a pena ler na íntegra.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *