Tales Of Symphonia Remastered Review – Um Clássico Regenerado

Tales of Symphonia foi uma experiência formativa para mim. Para meu jovem cérebro de 11 anos, redefiniu minha compreensão do gênero JRPG. A apresentação vibrante, o combate focado na ação e a história madura me pegaram de surpresa. Fim de semana após fim de semana, um amigo e eu explorávamos o mundo de Sylvarant juntos, fazendo progressos incrementais em cada sessão de jogo. Embora eu já tivesse jogado alguns JRPGs antes, nenhum me fisgou como Tales of Symphonia.

Apesar de minha profunda reverência por Tales of Symphonia, não toco nele desde 2004. Realmente não sei por quê. Comprei para PC alguns anos atrás, mas parecia errado jogar aquele jogo sentado em minha mesa em uma noite aleatória depois do trabalho – quase como se isso fosse manchar a magia dessa experiência e as memórias ligadas a ela. No entanto, com o lançamento de Tales of Symphonia Remastered, decidi que finalmente era hora de voltar a este mundo para ver se era tão bom quanto me lembrava. O resultado foi um pouco confuso.

Tales of Symphonia segue um garoto chamado Lloyd Irving enquanto ele acompanha o Escolhido em uma aventura mundial. A Escolhida, Colette, instruída pela profecia divina, deve “regenerar” o mundo para acabar com a guerra, a fome e o ódio. Parece uma tarifa JRPG padrão, mas a história é mais sombria e muito mais complexa do que inicialmente deixa transparecer. Apesar de tentar fazer a coisa certa, Lloyd e seus companheiros são confrontados com dilemas morais que muitas vezes deixam um rastro de destruição para trás. O que torna a história tão eficaz é como ela raramente foge das consequências das ações de nossos heróis. Os conflitos raramente são resolvidos de maneira organizada, e a história é melhor por isso.

O que torna a história verdadeiramente memorável, porém, é o excelente elenco de personagens. Até hoje, Symphonia ainda tem o melhor elenco de personagens que a série já viu. Lloyd é um garoto carismático e cabeça-quente que vê o mundo pela primeira vez. Genis é um conjurador desajeitado que serve como o melhor amigo perfeito e contraponto a Lloyd. Enquanto Kratos, à primeira vista, parece ser um mercenário frio e distante, ele rapidamente se torna uma figura paterna estóica para Lloyd. Há uma grande dinâmica entre todos os membros do grupo que leva a alguns momentos engraçados, emocionantes e devastadores ao longo da jornada.

Nenhuma legenda fornecida

Galeria

A história e os personagens são ocasionalmente retidos por alguma localização estranha, mas a falta de um sistema adequado de rastreamento de missões é o que realmente interrompe o ímpeto. Como no original, há um menu de Sinopse que resume sua aventura até agora e, ocasionalmente, informa para onde ir a seguir. O problema é que essas entradas de “sinopse” são difíceis de examinar e podem ser vagas às vezes, o que significa que você pode estar vagando sem rumo pelo mapa até tropeçar em um ponto de interesse que aciona uma cena. A solução deselegante, mas muitas vezes necessária, é abrir um passo a passo. Tales of Symphonia também tem um punhado de missões secundárias, algumas das quais podem ser perdidas. Mais uma vez, não há uma maneira confiável de rastrear essas missões, por isso é muito fácil perder algumas delas.

A apresentação também não faz muitos favores a Tales of Symphonia. A interface do usuário recebeu alguns pequenos ajustes, mas parece quase idêntica à porta PS3 lançada em 2013. As cenas são tão rígidas e desajeitadas quanto em 2004, e o mundo superior é insípido e sem vida. E o estilo chibi clássico parece estar em desacordo com alguns dos temas mais sombrios do jogo. É difícil levar a sério alguns dos momentos mais emocionais quando eles são interpretados por personagens fofinhos.

O que diferencia a série Tales Of de outros JRPGs é seu combate em tempo real. Embora você ainda possa pausar o tempo para mudar suas táticas, gerenciar ataques únicos chamados Artes e usar itens, o combate em si acontece em tempo real. O sucesso na batalha requer algum gerenciamento de medidor de luz e encadeamento de ataques básicos com Artes. Esse loop básico de combate não mudou muito com os títulos subsequentes da série, mas comparado a Tales of Berseria e Tales of Arise, parece rígido e dolorosamente lento. Eventualmente, conforme você desbloqueia mais Artes, os combos se tornam intrincados e, por sua vez, são mais satisfatórios de executar, mas as primeiras horas podem parecer um trabalho árduo.

Para compensar a natureza repetitiva do combate, você pode jogar como diferentes membros do grupo. Cada personagem possui um estilo de jogo diferente com artes únicas e combos personalizados. Conjuradores como Genis prosperam no limite do campo de batalha lançando feitiços de longe, enquanto a assassina Sheena, dublada pela incrível Jennifer Hale, usa cartas elementais para atacar seus inimigos. Não importa com quem você joga, você não pode escapar do ritmo indiferente do combate.

Nenhuma legenda fornecida

Galeria

Embora a maioria dos encontros de combate sejam relativamente lentos e diretos, as lutas contra chefes são um destaque. Isso exige uma composição de grupo cuidadosa, táticas inteligentes e gerenciamento de itens inteligente. Mesmo no nível de dificuldade normal, os jogadores podem achar difícil passar por encontros com chefes como fariam com os normais. Embora os fundamentos ainda pareçam um pouco desajeitados, o aumento do desafio torna as lutas contra chefes consideravelmente mais envolventes.

No Nintendo Switch, tive alguns problemas técnicos nas primeiras 10 horas. Algumas salas dentro de masmorras específicas sofrem de taxas de quadros visivelmente baixas. Isso não é transferido para o combate, portanto não afeta diretamente a jogabilidade, mas ainda é chocante ver um jogo de 19 anos sofrer com problemas de taxa de quadros em hardware moderno – especialmente considerando o lançamento original do Nintendo GameCube com 60 quadros por segundo. Além disso, na cidade de Asgard, o jogo trava toda vez que você entra em um prédio. Até agora, este é o único exemplo disso que eu vi, mas é outro problema bizarro que, embora não afete diretamente a jogabilidade, é estranho de se ver.

Mais frustrantemente, meu jogo travou duas vezes nas primeiras 10 horas. O que tornou essas falhas particularmente dolorosas é a falta de um recurso de salvamento automático emparelhado com o rígido sistema de salvamento do Tales of Symphonia. Você só pode salvar em determinados locais, e alguns pontos de salvamento são inacessíveis sem um item específico. Isso significa que uma falha mal cronometrada pode apagar horas de trabalho. Perdi um total de duas horas em acidentes. Ambas as falhas ocorreram durante sessões de jogo prolongadas de quatro ou mais horas. Desde então, tenho salvado regularmente e reiniciado o jogo a cada poucas horas, e não tive nenhum travamento desde então. Também vale a pena notar que ambas as falhas aconteceram antes de um patch do primeiro dia, que já está disponível. Esperançosamente, isso significa que os jogadores que pegarem o jogo no lançamento não terão os mesmos problemas.

Tales of Symphonia Remastered ainda é um JRPG cativante que, infelizmente, é um pouco difícil de recomendar hoje, devido a algumas de suas mecânicas de exploração datadas e apresentação grosseira. Algumas conveniências modernas poderiam ter percorrido um longo caminho, como salvamento automático e rastreamento de missões, mas sua história emocional subverte regularmente as expectativas e explora as áreas cinzentas no que pode parecer uma aventura direta. Ao todo, é uma remasterização fina que não ilumina muito um dos meus JRPGs favoritos.

Via Game Spot. Post traduzido e adaptado pelo Cibersistemas.pt