Tales Of The Walking Dead Review – O spinoff de mortos-vivos da AMC é libertador, mas inconsistente

Início » Games » Tales Of The Walking Dead Review – O spinoff de mortos-vivos da AMC é libertador, mas inconsistente

A coisa sobre zumbis é que eles são perenes. Melhor do que isso, eles são adaptáveis. Você pode colocar os mortos-vivos em praticamente qualquer período de tempo, cenário de história ou gênero e eles terão o potencial de prosperar como uma camada narrativa adicional. Zumbi ocidental? Claro, por que não. Zumbis na Coréia medieval? Isso funciona. História de amor de zumbi? Sim, vá em frente. Naturalmente, isso significa que Tales of The Walking Dead, uma série de antologia de zumbis derivada do drama de sustentação de longa data da AMC, é no mínimo uma boa ideia no papel. Depois de assistir a três dos quatro primeiros episódios da série de sua próxima temporada de estreia, também é uma ideia decente na prática, embora já mostre sinais de qualidade muito variável de história para história.

O primeiro episódio que estreia em 14 de agosto, “Evie/Joe”, é de longe o pior do trio que a AMC forneceu para revisão – o terceiro episódio, que parece ser a história de origem de Alpha e apresenta o retorno de Samantha Morton à franquia, não estava disponível. a tempo de revisão. Estrelando Terry Crews como um ex-executivo que se tornou um preparador para o fim do mundo e Olivia Munn como uma nova era, o estranho enredo de casal da estreia é uma bagunça. Parece projetado para chocar o sistema de qualquer fã de longa data de The Walking Dead com uma mudança de tom tão feroz que pode causar chicotadas nos espectadores. Por um lado, é admirável – talvez até necessário – começar tão longe do que os fãs de TWD estão acostumados. Ele diz aos espectadores: “Olha, isso vai ser diferente”. Mas embora possa obter um A para esse conceito, o episódio de estreia recebe um F para execução.

É engraçado, mas nunca sinceramente engraçado. Ocorrendo um ano após a queda da civilização, os personagens parecem existir em um universo de história totalmente diferente. Tanto Munn quanto Crews se sentem inadequados para o que o episódio exige deles e, infelizmente, não têm química juntos. Pode ser uma caminhada na corda bamba contar com sucesso uma história de comédia neste mundo geralmente sombrio e sombrio, mas isso significa apenas que os escritores precisam ter cuidado. Aqui, eles não são e, como resultado, o primeiro episódio é difícil de terminar.

Estou a bordo para uma grande mudança de tom com este spinoff, mas o primeiro episódio simplesmente não atinge a marca.
Estou a bordo para uma grande mudança de tom com este spinoff, mas o primeiro episódio simplesmente não atinge a marca.

Seu terceiro ato é o pior de todos, com uma revelação de vilão que surge sem motivo merecido. Está tudo escrito tão solto e leve que as apostas nunca se apresentam. Isso deixa o episódio precisando voltar às suas costeletas cômicas, que é a rede de segurança abaixo da corda bamba que o episódio perde completamente, deixando a estreia para se espalhar na superfície como um caminhante pisando sem pensar em um arranha-céu.

Felizmente, o segundo episódio, “Blair/Gina”, é muito melhor. Na verdade, é o melhor do grupo. Leva o mesmo conceito do primeiro episódio – sucintamente colocado como “vamos ficar estranhos” – mas é executado de todas as maneiras que o episódio anterior não. Estrelado por Parker Posey e Jillian Bell, o episódio troca o estranho casal hijinx pelo alto conceito do dia: uma história de loop temporal. Isso não é algo que alguém esperaria ver no universo de The Walking Dead, mas como as performances são excelentes e o roteiro acerta suas piadas nesta segunda tentativa, acaba sendo um episódio autônomo fantástico, mesmo que você nunca tenha visto outro único segundo de Mortos-vivos.

Posey e Bell brilham como uma chefe arrogante e sua recepcionista farta, respectivamente, que estão lidando com a vida cotidiana em uma pequena companhia de seguros de Atlanta nos primeiros dias da pandemia de zumbis, antes que as pessoas realmente saibam o que está acontecendo. Com tons de Office Space e Ling Ma’s Severance (não este Severance), o enredo em loop colapsa sobre si mesmo de maneiras impressionantes, considerando o aumento dos recentes gostos do Groundhog Day. Posey é fantástica e, ao contrário de Crews no primeiro episódio, seu prazer com o papel salta da tela. Bell é talvez um pouco subutilizada, já que ela é uma mercadoria conhecida quando se trata de interpretar uma hilária trabalhadora de escritório, mas como um todo, o episódio realmente funciona de maneira a dar esperança à série no futuro.

Está lá fora, e justamente quando você pode pensar: “Como isso está acontecendo no mesmo mundo que Rick Grimes e Negan?” o episódio deixa espaço para uma saída. A licença artística que os escritores utilizam neste episódio é a promessa de uma antologia de TWD cumprida. Eu não sou contra a série estar em todo lugar – essa deve ser sua força, na verdade. Eu só espero que os episódios excêntricos reais sejam mais frequentemente tão bem escritos quanto este, em oposição à bagunça esquecível que é seu antecessor.

No episódio final disponibilizado para revisão, “Amy/Dr. Everett” rejeita os tons humorísticos dos dois primeiros e se aproxima de um nível de seriedade pelo qual a série é conhecida até hoje, embora ainda não sem uma nova ruga interessante. Dr. Everett é um documentarista e cientista que está estudando os mortos-vivos, ou, como ele os chama, Homo Mortis, em um vale onde bolsões de caminhantes foram isolados do que resta da sociedade, permitindo que ele os estude em solidão. O episódio até começa com um trecho de seu documentário sobre a natureza, em que sua narração nos ensina sobre os zumbis como se fossem uma manada de elefantes africanos. Quando ele se depara com uma sobrevivente chamada Amy, que se separou de seu grupo, o episódio se transforma em praticamente um longo debate filosófico sobre a natureza e a intervenção humana.

Como outras vezes The Walking Dead procurou fazer afirmações filosóficas abertamente, como as temporadas e mais temporadas de Morgan discutindo justiça retributiva versus justiça restaurativa, este episódio não é uma reflexão notável sobre a praga da humanidade no mundo natural, nem é uma imensa estudo de caráter pensativo sobre solidão e pertencimento ao grupo. Ele toca em ambas as coisas, mas no final das contas se encaixa melhor como um trampolim para os espectadores interessados ​​buscarem material mais complexo em outro lugar – e eu acho que está tudo bem.

Jillian Bell (à esquerda) e Parker Posey formam uma dupla divertida no inesperado episódio de loop temporal da série.
Jillian Bell (à esquerda) e Parker Posey formam uma dupla divertida no inesperado episódio de loop temporal da série.

Como o terceiro spin-off de uma série de terror de uma década, eu vou pegar alguns neurônios disparando entre as mortes brutas de zumbis quando eu puder pegá-los. Não acho que Tales of The Walking Dead precise, ou mesmo queira, aumentar a aposta temática para a série, mas se puder tocar em algum material instigante entre partidas cômicas e loops de tempo absurdos algumas vezes, esses episódios únicos podem ser um sucesso duradouro.

Individualmente, os três episódios vistos até agora estão em todo o mapa em termos de qualidade, variando de imperdíveis a totalmente perdíveis. Minha suspeita é que a série viverá com uma inconsistência semelhante, onde a qualidade dos episódios aumenta e diminui dependendo de cada novo elenco e roteiro. Se a série se comprometer a abordar uma variedade de gêneros nos próximos episódios, minha esperança é que uma coleção diversificada e rotativa de vozes possa contribuir, para melhor atender às necessidades específicas de cada gênero.

Uma antologia pode ser libertadora para um mundo como The Walking Dead, desvinculando criativos de personagens com a bagagem histórica de Daryl, Gabriel e Maggie. Mas uma tabula rasa é tão interessante quanto os desenhos deixados nela. Minha expectativa é que não vimos o último dos grandes ou terríveis episódios de Tales of The Walking Dead, e será um campo minado para os espectadores semanais determinarem qual deles eles têm na frente deles em qualquer domingo.

Via Game Spot. Post traduzido e adaptado pelo Cibersistemas.pt

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *