Venom: Let There Be Carnage Review – Menos divertido na segunda vez

Quando Venom chegou aos cinemas em 2018, foi um sucesso sem fim. Claro, pode não ter sido “bom” no sentido tradicional – a história, ao lado das liberdades que tomou com seus personagens, removendo-os do contexto de suas origens anti-heróis do Homem-Aranha, era completamente absurda na melhor das hipóteses e sem sentido na pior das hipóteses – mas ainda assim, conseguiu se sair bem com um toque meio bobo e charmoso dos anos 90 que parecia apropriado apesar de tudo. E a abordagem descontroladamente excêntrica de Tom Hardy sobre Eddie Brock e o simbionte alienígena titular foi charmosa – quem não gosta de ver um ator famoso por seus intimidantes heróis de ação se debatendo no tanque de lagosta de um restaurante chique?

Agora, três anos depois, a filial Sony do MCU (que não é exatamente o MCU) está tentando fazer tudo de novo com Venom: Let There Be Carnage – que, bem. Certamente é um filme, mas não da mesma forma que Venom o primeiro foi certamente um filme. Em vez de ser exagerado e exagerado de uma forma que vai tocar na sua nostalgia embaraçosa, mas apaixonante dos anos 90, Let There Be Carnage parece um vídeo-show feito às pressas de tropas cansadas e ideias mal acabadas, e quando isso se não for assim, ele simplesmente repete as batidas que já haviam ultrapassado no primeiro filme.

Para começar, temos Hardy de volta como Eddie Brock, um jornalista investigativo infeliz que costumava ter seu próprio programa de TV antes de voar um pouco perto demais do sol corporativo e ser rejeitado. Em 2018, nós o vimos ser infectado por um simbionte alienígena chamado Venom e, no final do filme, eles aprenderam a viver um com o outro em uma espécie de relacionamento de casal estranho e afetuoso, enquanto também salvavam o mundo. Venom 1 terminou com a implicação de que, embora Eddie e Venom possam não ser uma máquina bem lubrificada, eles certamente estavam no caminho certo para viver uma vida relativamente feliz, embora ocasionalmente grotesca.

Em Let There Be Carnage, esse arco pode muito bem ter acontecido a alguns outros personagens. Estamos de volta à estaca zero com todas as mesmas piadas e batidas repetidas em sua totalidade. Claro, Hardy realiza alguns feitos impressionantes de comédia física, permitindo-se lutar com um nojento CGI inexistente enquanto é manipulado por marionetes em seu apartamento, mas é muito menos charmoso (e certamente menos surpreendente) na segunda vez. Não está claro exatamente quanto tempo se passou entre este e o primeiro filme, e há algumas tentativas indiferentes de apontar para um momento presumivelmente logo após Venom 1, quando as coisas podem ter sido um pouco mais suaves para o par, ou o relacionamento deles pode ter progredido ou alterado de alguma forma significativa, mas nenhum é realmente elaborado. Parece que Let There Be Carnage simplesmente ficou sem idéias sobre como um homem infectado por um parasita alienígena sensível poderia ser interessante ou engraçado.

Enquanto isso, Woody Harrelson interpreta Cletus Kassidy, um serial killer que apareceu pela primeira vez com uma peruca ruim em uma cena pós-créditos de Venom 1. Kassidy é infectado por um novo simbionte chamado Carnificina, que o ajuda a escapar de sua execução e causar todo tipo de caos. Embora a trama de Cletus certamente ganhe pontos por ser a única coisa nova que Let There Be Carnage traz para a mesa, ela imediatamente os perde por não fazer sentido. O filme começa com Eddie fazendo uma espécie de riff de Clarice Starling para Hannibal de Cletus, que é como ficamos sabendo que aparentemente a polícia não foi capaz de recuperar os corpos de muitas vítimas de Cletus. Isso é estranho, visto que a história de Cletus o coloca em um asilo desde adolescente, ou talvez até antes, porque ele assassinou sua própria família, o que descobrimos graças a um flashback animado muito deslocado. Os corpos que a polícia não conseguiu encontrar não são explicitamente membros de sua família, mas também não são personagens.

Durante o tempo de Cletus no asilo, ele se apaixonou por uma garota chamada Frances (Naomie Harris), que tem a habilidade de gritar muito, muito alto – não tão alto que faça qualquer coisa chamativo, mas alto o suficiente para pelo menos parcialmente ensurdecer qualquer pessoa quem está perto dela quando ela faz isso. Nos quadrinhos, Frances é uma mutante chamada Shriek, mas a palavra “m” nunca é mencionada aqui e nunca ficou claro por que ela foi encarcerada. No início do filme, ela parece ter morrido – mas não morreu – o que realmente só serve para adicionar digressões ainda mais difíceis de seguir para entender exatamente qual é o negócio de Cletus. Além disso, não se preocupe, no final do filme os personagens param de chamar Frances de “Frances” e começam a chamá-la de Grito, como se esse fosse o nome dela o tempo todo.

A maior parte, senão toda, a história de Cletus e Frances antes da luta climática é feita em cortes inutilmente filmados, onde Cletus faz coisas como matar brutalmente um frentista de um posto de gasolina para usar seu laptop. Ele então se conecta ao computador usando os tentáculos de Carnage, que de alguma forma criam uma tela saída do filme Hackers de 1995. Ele faz isso enquanto a voz de Harrelson é dublada dizendo “vocês têm alguma dessa internet?” Esta é apenas uma das muitas frases simples que parecem ter sido adicionadas às pressas na pós-produção por razões desconhecidas.

E por falar no clímax da luta final, Let There Be Carnage é tão carente de novas ideias que funcionalmente apenas refaz e remixa a luta Topher Grace Venom do Homem-Aranha 3. Não está claro se isso foi um aceno intencional ou não, e certamente não parece irônico no momento, então, se houver uma piada, ela nunca acerta.

Este é um problema recorrente. No início do filme, durante uma das brigas de Venom e Eddie, Venom vai ao host-hopping, matando civis levianamente enquanto sobrecarrega seus corpos ou simplesmente os deixa de fome até a morte – ambas as razões para as mortes dos anfitriões são dadas apressadamente, mas nunca elaboradas. Não está claro se essa contagem de corpos é supostamente engraçada ou não da mesma forma que Venom mastigando as cabeças dos vilões parece triunfante, ou pelo menos horrível de uma forma boba. Em um ponto, Venom, tendo assumido o corpo de um festeiro não identificado, dirige-se a um clube – o diretor Andy Serkis confirmou que é suposto ser “algum tipo de festival LGBTQIA” embora não haja absolutamente nenhuma indicação de queerness na tela em tudo – e anuncia que é sua “saída da festa de Eddie”. Ele então faz um discurso para a multidão sobre aceitar-se como um “alienígena”. Mais tarde, a pessoa não identificada sucumbe à possessão fatal de Venom e morre.

É claro que Serkis e sua equipe criativa estavam tentando reconhecer a grande e vocal queer base de fãs de Venom. Mas, dada a origem da história em quadrinhos do personagem como uma abordagem alegórica do medo e ansiedade generalizados em torno da infecção e contaminação durante a crise da AIDS na década de 1980, talvez tendo-o invadido e depois assassinado não-personagens em um festival de orgulho não específico no que parece como se uma mordaça mal tentada não fosse a melhor maneira de fazer isso.

A graça salvadora singular de Let There Be Carnage é seu ferrão pós-crédito, que, sem estragar nada, certamente encantará qualquer um que investiu seu tempo e energia em grandes franquias de super-heróis ao longo dos anos e desencadeou todos os tipos de conversas e teorias sobre o futuro da franquia. É uma pena que demorou 90 minutos de meandros confusos e cansados ​​para chegar a esse ponto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *