“Cadeia de assassinato”: o documento de segurança eleitoral da HBO enfatiza a urgência


Apesar da intromissão documentada nas eleições russas nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016 e anos de avisos de pesquisadores de segurança sobre infraestrutura de votação insegura, os EUA avançaram lentamente para melhorar suas defesas eleitorais. Agora um novo documentário, Kill Chain, está tentando mostrar a urgência de agir antes que seja tarde demais.

Muitos dos problemas e inseguranças nos sistemas de votação nos Estados Unidos são diretos, mas não é fácil conseguir que os eleitores – ou legisladores – entendam o risco ou o caminho a seguir. Isso representa um desafio e uma oportunidade para Kill Chain, que como o documentário da Cambridge Analytica da Netflix The Great Hack, tenta fazer uma variedade de problemas técnicos, às vezes esotéricos, tangíveis e convincentes.

“É um material difícil, e é por isso que muitas pessoas não o abordam, não o cobrem e não o entendem”, disse a cineasta Sarah Teale à WIRED. “Essa foi definitivamente a coisa mais difícil foi encontrar a linguagem do filme que fazia sentido e fazia algum tipo de história”.

O filme, que será transmitido pela HBO e seus serviços de streaming no dia 26 de março às 21:00 ET, concentra-se principalmente na vida e no trabalho de Harri Hursti, pesquisador de segurança finlandês que demonstrou em 2005 que as máquinas de votação Diebold eram hackáveis. Hursti é um importante defensor da segurança dos votos desde então e vive nos EUA há mais de uma década. O filme analisa os esforços anteriores de Hursti para chamar a atenção para a insegurança das urnas, incluindo confrontos com fabricantes, mas também mapeia seus esforços desde a eleição presidencial dos EUA em 2016. Em 2017, por exemplo, ele co-fundou a Voting Village na conferência de segurança da Defcon, que permite que os participantes analisem e tentem invadir vários modelos de máquinas de votação reais atualmente usadas. Desde então, o esforço trouxe à tona várias falhas alarmantes todos os anos.

Kill Chain defende que a insegurança nos votos nos EUA pode e deve ser drasticamente aprimorada. Ele se concentra nas questões centrais, como máquinas de votação que não produzem nenhum tipo de registro em papel que possa ser usado para verificar os resultados de uma eleição. Ou como os registros em papel que algumas das máquinas produzem contêm um código de barras ou outra saída legível por máquina que os eleitores não podem analisar. Os distritos precisam de cópias de segurança em papel verificadas pelos eleitores para realizar rigorosas auditorias pós-eleição, como o padrão-ouro conhecido como auditorias de limitação de risco. E até os distritos e estados que possuem os registros para realizar auditorias geralmente não possuem políticas para executá-las. Além disso, as agências eleitorais do país ainda lutam para implantar fortes defesas em seus sistemas digitais, como bancos de dados on-line de informações sobre eleitores, sites informativos e até infraestrutura para reportar o total de votos.

Além de esclarecer tudo isso, Kill Chain investiga exemplos reais e recentes de irregularidades que poderiam ter resultado da adulteração de votos. Um exemplo é uma violação do site de eleições públicas do Alasca no dia das eleições em 2016 pelo hacktivista conhecido como CyberZeist. Em uma entrevista anônima na câmera, o próprio CyberZeist diz que obteve um acesso profundo ao sistema de contagem de votos do Alasca e poderia ter alterado os votos para influenciar o resultado da eleição. O fato de um hacker poder obter esse acesso indica que existem vulnerabilidades problemáticas para qualquer invasor motivado encontrar.

Para Hursti, o desafio é encontrar um equilíbrio entre soar o alarme sobre essas falhas perigosas e desestabilizadoras, para que possam ser corrigidas sem o movimento minar a confiança dos eleitores. A erosão da confiança ameaça e desestabiliza o sistema de uma maneira totalmente diferente.

“O problema é que a confiança dos eleitores diminuiu, é preciso começar restaurando isso”, diz Hursti. “Mas sem transparência você não pode realmente restaurar a confiança dos eleitores.”


Mais grandes histórias WIRED



Fonte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *