Diretor glorioso em fazer um filme de terror de buraco de glória

Em um mundo onde franquias e propriedade intelectual dominam Hollywood, Glorioso está prestes a injetar alguma originalidade muito necessária na comunidade. Dirigido por Rebekah McKendry, Glorioso é um filme de terror Lovecraftiano que ocorre predominantemente em um banheiro público. Quando Wes (Ryan Kwanten), um indivíduo deprimido e com o coração partido, se encontra dentro de um banheiro depois de uma noite de bebedeira, uma voz divina (JK Simmons) na outra cabine começa a conversar com ele sobre seus erros e arrependimentos. A voz prende Wes dentro do banheiro e exige um sacrifício pelo buraco da glória na cabine ou enfrentará consequências cataclísmicas.

Como McKendry afirma, um horror sobre um buraco de glória pode não ser para todos, mas ela pode dizer com orgulho que é “algo que você nunca viu antes”. Glorioso é uma exploração filosófica de um homem imperfeito lutando com os erros em sua vida. Em entrevista ao Digital Trends, McKendry revela o conselho que sua mãe lhe deu sobre cinema, por que “estranho” é uma coisa boa e como ela convenceu Kwanten e Simmons a participar do projeto.

A diretora Rebekah McKendry se ajoelha ao lado de sua equipe nos bastidores de Glorious.
BTS, Rebekah McKendry, Morgan Peter Brown, David Matthews – Glorioso – Crédito da foto: Shudder

Nota: Esta entrevista foi editada para maior extensão e clareza.

Tendências Digitais: Glorioso é uma história tão original quanto você pode obter. Como cineasta, a originalidade é a força motriz por que você escolhe um projeto?

Rebekah McKendry: Sim é. Bem, eu vou dizer na maioria das vezes, ou mais pensando: “O que posso fazer com isso que sou eu? Como posso trazer minha própria personalidade ou minhas próprias experiências para isso?” Para mim, pessoalmente, quanto mais estranho, melhor. Quanto mais absurdo, melhor. Se você viu meu primeiro filme, Todas as criaturas estavam se mexendotem o mesmo nível de absurdo, e esse foi o meu maior aprendizado.

Se nada mais, eu queria criar algo que fosse diferente de tudo o que existe por aí, e esse foi o maior elogio Glorioso até aqui. Entendemos que os buracos de glória Lovecraftianos podem não ser o saco de todos, mas podemos dizer que fizemos algo que você nunca viu antes. [Laughs]

Acho que a palavra “estranho” tem uma conotação negativa. Estranho não significa ruim. Tudo bem que as pessoas não saibam o que está acontecendo. Você aprecia esse tipo de reação?

Sim. De um nível de distribuidor, havia perguntas como: “Para quem estamos fazendo este filme?” No set, eu ficava dizendo: “Estamos fazendo isso para amigos que ainda não conheci”. Como as pessoas que entendem meu senso de humor, que têm uma predileção semelhante em achar a transgressão e a irreverência hilárias, e achar arte em meio a essa mistura de intelectual e intelectual é definitivamente o que eu estava buscando.

Ouvi dizer que minha mãe sempre me dizia que você só é estranho se não estiver confiante sobre isso. Essa é uma linha de divisão, e é aí que eu meio que abordei isso. Vai ser um filme estranho, mas eu sei onde quero que ele vá e estarei confiante sobre isso e, portanto, chega a um nível diferente.

As mães sempre dão os melhores conselhos.

Certo? Então eu a levei para a estreia disso, e ela está sempre lá, não importa [what]. Quando estou fazendo vídeos de Gwar anos atrás, não importa o que fosse, ela sempre estava lá como, “Você precisa de ajuda no set? Eu vou distribuir rosquinhas.” Não importa o quão estranha minha carreira fique, ela está sempre lá para isso.

Este filme não funciona a menos que Ryan compre a história e vá em frente. Quando ele leu o roteiro pela primeira vez, qual foi o tom para levá-lo a bordo?

Com a escalação de Wes, em geral, foi a grande discussão de antemão, porque sabíamos que Wes tinha que ser o perdedor adorável. Ele tinha que ser esse cara completamente sem sorte que você fica tipo, “Oh meu Deus. Ele é totalmente patético.” Eu gosto dele o suficiente para acompanhá-lo através de um filme, mas ao mesmo tempo, tinha que ter essa reviravolta ridícula. Então eu tinha visto Ryan no Joe Lynch’s Show de horrores e em algumas coisas contemporâneas, bem como Sangue verdadeiro.

Sim.

Mas entrei em contato com Barbara Crampton, que era uma de nossas produtoras e disse: “Sei que você já trabalhou com ele antes. E quanto a Ryan?” Ela estava tipo, “Oh, ele vai adorar isso”. E assim que comecei a conversar com ele, ficou imediatamente claro que ele entendeu o humor, ele entendeu o conceito, [and] ele entendeu como tinha que ser jogado direto. Tinha que ser jogado não completamente como uma performance cômica. Não poderia ser bobo porque o roteiro é bobo. O absurdo vai sair nesta situação mais do que qualquer coisa.

E então ele imediatamente entendeu, e ele também entendeu a dualidade do personagem. E o mais importante é que ele conseguiu que era uma peça de câmara e que teria que ser uma apresentação bastante teatral porque é ele sozinho em 90% do filme. Ele estava disposto a me acompanhar no meu jeito meio maluco de filmar. Então isso foi uma grande coisa, sabendo que estamos em um banheiro para a parte sólida do filme.

Sylvia Grace Crim segura um maldito Ryan Kwaten por trás em uma cena de Glorious.
Ryan Kwanten, Sylvia Grace Crim – Glorioso – Crédito da foto: Shudder

Eu estava muito ciente de que, se estivéssemos usando apenas fotos bloqueadas, como eu estou apontando a câmera aqui e apontando a câmera aqui, ia parecer realmente em blocos, claustrofóbico e repetitivo em poucos minutos. Então minha ideia foi, ok, eu vou apenas manter a câmera fixa durante todo o filme. Eu nunca vou sair firme. E com isso, eu queria passar muito tempo bloqueando Ryan para que o bloqueio fosse feito. Ele sabia disso. Foi como um ensaio que poderíamos executar como uma produção teatral. E dessa forma eu também poderia bloquear a câmera, e como dançar com ele nessas tomadas enormes.

Então, faríamos tomadas de 10 minutos com isso, onde era um ensaio entre os movimentos de Ryan e a câmera dançando ao redor dele. Ryan estava muito interessado nisso também, o que foi incrível porque era uma maneira interessante de filmar e que eu realmente prefiro agora. Depois que comecei a fazer tomadas de 10 minutos, fiquei tipo: “Isso tem ótimas performances porque ele pode realmente se aprofundar e se submergir muito como uma experiência mais teatral”.

Você tem JK como a voz de Ghatanothoa. Li que você queria que a voz fosse acessível, não assustadora.

Essa foi a maior coisa. Começamos a comprar esse projeto no meio da pandemia e imediatamente recebemos o interesse de algumas empresas diferentes. Essa sempre foi uma das minhas histórias. Quando eu conversava com a empresa, se eles imediatamente dissessem: “Ah, você sabe, quem seria ótimo”, e eles jogassem algum ator para mim que tivesse essa voz assustadora, eu diria: “Eles não pegue.” Essa foi a maior coisa. Tinha que ser alguém que soasse acessível e cordial.

Há uma construção social embutida em todo o roteiro. [At] No começo, Wes está neste banheiro, uma voz ao lado dele diz: “Ei, como você está aí?” Tem que ser educado o suficiente e despretensioso o suficiente para que Wes sinta a responsabilidade social de responder, mesmo que seja estranho. Se essa voz soar assustadora, ele vai fugir. Minha maior coisa com o elenco é que tem que ser alguém que, durante a maior parte do filme, vai soar cativante e compassivo e fazer você querer tomar essas decisões que Wes tem que tomar até que ele tenha que ser um comandante, assustador. Deus. Eu sempre olhei Chicote como um filme de terror com ele interpretando o monstro.

Eu concordaria com isso.

Nós meio que começamos com, “Ok, ele [J.K.] pode escurecer.” Mas, ao mesmo tempo, ele está em metade dos desenhos animados que meus filhos assistem, então ficamos tipo, “Ok. Bem, ele tem todos esses outros lados e essa dinâmica incrível.” E ele realmente gosta de filmes estranhos. Ele ama Lovecraft e ama filosofia, então foi um kismet fantástico.

Glorioso – Trailer Oficial [HD] | Um arrepio original

Glorioso é um filme de terror, mas há muita filosofia espalhada por toda essa história. Vai exigir várias visualizações para realmente pegar todos os ovos de Páscoa. Sua abordagem foi esgueirar-se em tantos ovos de Páscoa quanto você puder?

Esse era meu marido [David Ian McKendry]. Vou dar-lhe todo o crédito por isso. Meu marido era um estudante de filosofia na faculdade. Ele adora mitologia e estudar outras religiões. E então, quando ele passou no roteiro, essa era a maior coisa que ele queria trazer. É a mitologia Lovecraftiana, mas não queríamos nos apoiar apenas nisso. Nós realmente queríamos trazer um mito maior, e então o trouxemos. Há muita mitologia grega. Lá [are] Referências de Sartre com Sem saída. Há a mitologia de Cronos, que também é grega. E mesmo que uma das últimas linhas do filme seja “Está consumado”, que vem direto de Jesus na cruz.

Trouxemos o máximo que pudemos e colocamos lá. Muito disso são migalhas de pão, como a barra de chocolate no início é um Choco Sticks, e a mulher para quem ele entrega as moedas se chama Sharon, então deveria ser uma espécie de entrada para o inferno. São apenas coisas sutis para as quais não queríamos chamar muita atenção, mas há muito disso lá.

Glorioso transmite exclusivamente no Shudder a partir de 18 de agosto.






Com informações de Digital Trends.

Avalie este post

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.