O Nintendo GameCube faz 20 anos hoje

Duas décadas atrás, em 14 de setembro de 2001, o Nintendo GameCube foi oficialmente lançado no Japão. Os fãs da Nintendo nos Estados Unidos teriam que esperar até 18 de novembro para colocar as mãos no console, enquanto os mercados europeus receberam oficialmente unidades do sucessor do N64 em maio de 2002. O mais recente aparelho de jogos da Nintendo foi o primeiro console doméstico da empresa a usar discos ópticos, já que mesmo na era do PlayStation e do Sega Saturn, a empresa se aferrava aos cartuchos para o N64.

No estilo típico da Nintendo, o GameCube fez um esforço para se destacar da embalagem com várias opções de design interessantes. Os jogos eram enviados em minidiscos que podiam conter 1,46 GB de dados e eram projetados para evitar a pirataria, enquanto o formato também permitia à Nintendo evitar o pagamento de taxas de licenciamento ao DVD Forum, consórcio responsável pelo desenvolvimento de tecnologias de DVD.

Nintendo GameCube
Nintendo GameCube

Essa decisão fez com que o GameCube não tivesse recursos de reprodução de DVD, um argumento de venda que a Sony usou para mudar o número recorde de consoles PlayStation 2 no mercado quando os consumidores aderiram à ideia de uma unidade de entretenimento doméstico tudo-em-um. A versão Panasonic Q do GameCube acabou transformando o console em um reprodutor de DVD doméstico, mas a versão em aço inoxidável era exclusiva para o Japão.

O que faltava ao GameCube em filmes, porém, ele mais do que compensava com os jogos que estavam disponíveis nele durante sua execução. Títulos como The Legend of Zelda: The Wind Waker, Super Mario Sunshine, Luigi’s Mansion, Pikmin, Metroid Prime e Super Smash Bros. Melee não eram apenas ótimos jogos para jogar, eles se tornaram entradas marcantes na biblioteca da Nintendo e experiências memoráveis para quem os possuía. Exclusivos de terceiros também fizeram um grande barulho, com dois exemplos principais sendo o remake de Metal Gear Solid Twin Snakes que foi co-desenvolvido por Silicon Knights e Resident Evil 4, que era um exclusivo do GameCube até que não era.

Comparado a outros consoles, o GameCube também se destacou pelo design físico. Fazendo jus ao título, o console quadradão veio em uma variedade de cores, tinha suporte para até quatro jogadores e uma conveniente alça na parte traseira para quando você quisesse levá-lo para a casa de um amigo. Possivelmente, a melhor característica do console era seu controlador, que melhorou tremendamente nos perigosos ângulos de perfuração na virilha do periférico N64 e apresentava curvas mais suaves em sua forma.

Para os puristas do Smash Bros., o controlador GameCube é o vale a pena ter um controlador para um jogo competitivo sério, e a Nintendo lançou versões do controlador compatíveis com Wii U e Switch nos anos após a saída do GameCube do mercado. O GameCube não foi um grande sucesso de vendas para a Nintendo, embora, apesar de ter um forte impulso no lançamento, não conseguiu igualar o apelo mainstream do PlayStation 2 e só conseguiu vender 21,74 milhões de unidades. Isso fez do GameCube Nintendo o segundo console de pior desempenho de todos os tempos, apenas acima do Wii U, que vendeu 13,56 milhões de unidades durante sua vida útil.

A Nintendo anunciou em fevereiro de 2007 que havia encerrado o suporte original para o GameCube, com a empresa se concentrando nos consoles Nintendo DS e Wii. O GameCube pode não ter sido o console de maior sucesso da Nintendo, mas deixou para trás um legado influente de videogames incríveis e um dos melhores controladores de todos os tempos. Além disso, era o único console doméstico em que você podia tocar a bateria Donkey Konga.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *